"Podres de Ricos" — Ame a diversidade

Comédia romântica diverte e traz aspecto novo para as telonas

Podres de Ricos(2018)

Uma boa comédia romântica. Quem não gosta de uma boa comédia romântica? O gênero, que há pouco morria no cinema, agora ganha fôlego com novas produções, que buscam novos aspectos para atrair um espectador que já viu muitos filmes do tipo.

É o caso de "Podres de Ricos", filme distribuído mundialmente pela Warner Bros. Pictures, que estreia dia 25/10/18, essa quinta, nos cinemas brasileiros.

Jon M. Chu (“Truque de Mestre: O 2º Ato”) dirige a contemporânea comédia romântica baseada no aclamado best seller homônimo de Kevin Kwan.

O longa é estrelado por Constance Wu (série “Fresh Off the Boat”); Henry Golding, em sua estreia no cinema; Gemma Chan (série “Humans”); Lisa Lu (“2012”); e Awkwafina (o inédito “Oito Mulheres e Um Segredo”, “Vizinhos 2”); com Ken Jeong (filmes “Se Beber Não Case”) e Michelle Yeoh (“Star Trek: Discovery”, “O Tigre e o Dragão”). O grande elenco do filme também inclui Sonoya Mizuno (“La La Land: Cantando Estações”), Chris Pang (série “Marco Polo”), Jimmy O. Yang (série “Silicon Valley”), o comediante Ronny Chieng (programa “The Daily Show”), Remi Hii (série “Marco Polo”), Nico Santos (série “Superstore”) e Jing Lusi (série “Stan Lee’s Lucky Man”).

O filme é uma produção de Hollywood miscigenada com diversos países orientais, sendo basicamente todo mundo do filme oriental de nascimento ou com ascendência oriental. Podres de Ricos foi filmado integralmente em locações em Singapura e na Malásia.

Sinopse

Essa comédia romântica contemporânea, baseada num best-seller global, segue os passos da nova-iorquina Rachel Chu(Constance Wu) em sua viagem para Singapura, onde vai conhecer a tradicional e incrivelmente rica família de seu namorado Nick Young, o provável herdeiro(Henry Golding).

O esperado de uma comédia romântica

O filme entrega aspectos clássicos divertidos do gênero que se inclui. Um amor impossível, um filme baseado em um relacionamento e muito humor no roteiro. Humor esse que está num ponto bom de equilíbrio com o drama. Esse é um filme que consegue te fazer rir. Portanto, não espere muitas reviravoltas ou planos mirabolantes. O filme entrega o que promete e nunca enganou ninguém sobre isso.

Entretanto, há que se dizer que a química do casal protagonista poderia ter sido melhor. As cenas dramáticas que envolvem os dois não chegam a emocionar ou contagiar. Esse definitivamente não é o ponto alto do filme.

Identificação com Rachel Chu

A protagonista, interpretada pela eficiente Constance Wu, é bem trabalhada pelo diretor sob um aspecto de identificação com a maioria de seu público-alvo, que aqui caracteriza-se por ocidentais. Rachel viaja para descobrir um mundo novo e nós também. Isso produz uma identificação imediata que facilita o espectador a se conectar com a principal personagem do filme.

Descobrindo um novo mundo

É divertido também aprender sobre diversos aspectos da cultura de Singapura e asiática de maneira geral, ainda mais quando o espaço amostral é a família mais rica da história do país. O longa não poupou em orçamento e a ostentação absurda está presente.

Choque de Cultura

O filme promove diversas cenas curiosas que mostram o choque cultural que é a união de duas famílias com passados e histórias absolutamente distintas. Enquanto Rachel é uma mulher inteligente, batalhadora e destinada a perseguir uma paixão, os valores que a família de Nick pregam são outros: tradicionalismo, determinismo e apreço pela terra natal. Essas diferenças são exploradas sob a ótica de comédia e também de drama.

Trilha Sonora

A trilha sonora se valeu de expressões interessantes, como unir músicas pop do mundo ocidental com o mundo oriental. O filme trouxe músicas como "Material Girl" e "Yellow" de Madonna e Coldplay e as colocou interpretadas por artistas asiáticos. A letra é traduzida e a melodia é a mesma. E o melhor é que sabemos o que a música quer dizer mesmo sem entender a letra, pelo contexto do filme e pela música original. Toda essa ideia de globalização e miscigenação foi trabalhada, aos mínimos detalhes.

Mensagem e saldo

Podres de Ricos(2018) é um filme interessante por trazer aspectos diferentes para um gênero amável por natureza. Saldo positivo!

Apesar de não surpreender em momento algum, o filme é engraçado e busca uma mensagem coerente e necessária: preconceitos baseados por família, cor, etnia, classe social devem sempre ser rechaçados. Em tempos que recusam a imigração constantemente por esse tipo de tradicionalismo e produção de estereótipos, ver um filme assim é importante.

Lembre-se que os imigrantes fazem parte e ajudam a construir a história dos países. Nenhum preconceito com base nisso deve ser aceito. A diversidade é bela. Viva a globalização, a miscigenação e a ideia de perseguir um futuro melhor.