Eu estou tomando complexo B, você não?

Não, eu não estou. Mas conheço um monte de gente que está. Se você está morando no Brasil nesse janeiro de 2016, deve estar surtando legal com o tal de zica. É bem lei de Murphy, como se a gente já não tivesse problema suficiente, aparece mais uma novidade nada legal. O zica está aí e sabemos pouco dele, mas ele é parecido com a dengue, então recomendo começar com esse vídeo muito legal produzido pelo curso de Ciências Biomédicas do ICB da USP:

Bem explicadinho, não?

Atualização março 2016:

O zica é um arbovírus como a dengue, e no começo comparamos com a dengue por ter o mesmo transmissor e ser o que mais conhecemos na América. Novos estudos filogenéticos mostram que existem duas linhagens de vírus zica, uma africana e uma asiática. A que está presente na America do Sul é da linhagem asiática e comparando genomas, o zica é um parente mais próximo de arbovírus como a encefalite japonesa ou a febre do oeste do nilo, transmitidos pelo mosquito Culex, do que com a dengue. De certa maneira, isso ajuda a entender o perfil de doença mais ligada a cérebro que com hemorragia, como são dengue e a febre amarela.

Fim da atualização

Tá, mas eu quero saber de zica.

Ok, até 2007 muito pouco se sabia sobre ele, estando restrito a África e Ásia, em macacos. Assim como a dengue, ele tem um ciclo de vida que começa com mamífero infectado, que é picado por artrópode, que ao picar outro mamífero transmite o vírus para este. Ele é transmitido pelo Aedes aegypti, que provavelmente veio para o Brasil importado da África pelos portugueses, nos navios negreiros. Naquela época o pior pesadelo no Brasil era a febre amarela, trazida junto do mosquito, já hoje é a dengue, a chikungunya e o zica. Com a urbanização, aumentou a reprodução do mosquito, aumentando sua quantidade, pois é muito mais fácil achar água parada (suja ou limpa) numa cidade que em uma floresta. Ele quase foi eliminado na década de 50 pelo uso de inseticidas, mas o vai e vem de meios de transporte globalizado trouxe ele de volta. O zica deve ter chego aqui também via transporte aéreo, possivelmente vindo da Ásia ou África em mosquitos ou pessoas contaminadas.

Atualização março 2016:

A maneira como ele chegou aqui não importa realmente, pois é basicamente um chutômetro lógico. O estudo filogenético meio que descarta a possibilidade de ter vindo da Africa, aumentando a chance de ter vindo da Asia. O parentesco com os virus de encefalites e a velocidade com que a doença se espalhou pela America sem ter sofrido mutações joga no ar um novo possível meio de transporte que justificaria isso: o transporte por aves migratórias. Mas de novo, por enquanto se conhece muito pouco sobre este virus é só um chutômetro com grandes chances.

Fim da atualização

Os principais sintomas são muito parecidos com os da dengue: febre, erupções na pele, dor de cabeça, dor no corpo, cansaço e conjuntivite. Como explicado no vídeo, a contaminação com um tipo de dengue não protege contra o outro e pode até piorar os sintomas. Como o zica é muito parecido com a dengue, muitos estudiosos acham que a mesma reação pode acontecer com quem já teve dengue e pega zica, o que poderia justificar o aumento de casos de síndrome de Guillain Barré. Síndrome Gilan o que? É uma doença autoimune contra o sistema nervoso periférico que causa desde paralisia dos membros até parada respiratória.

Atualização março 2016:

Hoje se acha que o aumento de casos de Guillain Barré e encefalites não seriam por reação piorada de resposta a vários virus, mas sim derivados das próprias características do vírus de gostar de células nervosas. Mas cada caso é um caso. Tem pessoas que não apresentam sintoma algum, outras só erupções na pele (que em geral acabam sendo diagnosticadas como alergia, dificultando os estudos epidemiológicos), outras os sintomas brandos, outras vão ao extremo e apresentam meningite e encefalite. Além disso, um mecanismo que a ciência chama de reativação parece ocorrer nesse vírus (Como acontece na catapora. Você tem quando criança e fica bom. Aí “do nada” o vírus resurge na circulação, causando herpes zóster). Várias pessoas tem relatado ter “pego” a doença mais de uma vez, mesmo usando métodos de proteção como repelentes ou ter viajado para lugares onde não há mais mosquito, o que parece não indicar caso de reinfecção, mas sim de reativação.

Curiosamente (e ainda sem explicação), a curva de que mostra idade de contaminação ou gravidade de sintomas começa com 14 anos (até o presente nenhum caso de zica em crianças pequenas, graças a todos os Deuses) tendo pico entre 25 e 40 anos e desaparecendo nos idosos. Então, quem como eu está na pior faixa de apresentar sintomas graves, bora abusar de repelente e prevenção de larvas. Ai alguém pode perguntar, mas e os fetos não são crianças pequenas, sua louca? Ai depende do ponto de vista ético de cada um, mas de qualquer maneira, o“alvo” do vírus não foi o feto, e sim a sua mãe, que se enquadra na faixa acima de 25 a 40.

Fim da atualização

Muito tenso!

Mas o maior pânico é ocasionado pelos casos de microcefalia em bebes. Não temos como comprovar que é o zica que está causando esses casos, mas existe uma forte correlação entre mãe com zica e bebe com microcefalia. A microcefalia é uma má formação do sistema nervoso do feto que não tem tratamento, e geralmente deixa a criança com retardo mental.

Atualização março 2016:

Microcefalia é um termo ruim para descrever o que vem acontecendo. Ele apenas indica diminuição do diâmetro da cabeça. E o que se tem visto com os estudos é que nos casos positivos da mãe ou bebe com zica é que eles apresentam danos cerebrais graves, indiferente da circunferencia da cabeça. Então os pesquisadores já estão renomeando para síndrome congênita do vírus da zika. E os danos causados são de um tipo nunca visto antes, mesmo em outros vírus como a rubéola ou citomegalovírus, sendo uma patologia totalmente nova, envolvendo calcificação do tecido cerebral e ou ventriculomegalia grave (não procure pelas imagens dos cortes histológicos ou das sonografias, faça um favor a si mesmo de não querer ir chorar num cantinho, são horríveis!). Apesar dos exames sorológicos disponíveis atualmente serem uma bomba cheios de reações cruzadas, já foi encontrado, por técnicas mais sensíveis como o PCR, o vírus tanto no líquido aminótico quanto nos tecidos cerebrais de fetos abortados espontaneamente. Mas a boa notícia é que não se encontra mais o vírus nos bebes que conseguem sobreviver, apesar das mães terem dado positivo em algum momento da gestação. Ou seja, as mães cujo o sistema imunológico é porreta, conseguem limpar o bebe do vírus sem que este faça um estrago sem volta e este sobrevive até o nascimento. Existem lesões a longo prazo, sim, mas como o cérebro do recém-nascido é facilmente remodelado, vários médicos tem mostrado que quando bem tratadas, essas crianças estão respondendo aos tratamentos e vão ser capazes de levar uma boa vida.

Fim da atualização

Para se proteger, duas coisas são essenciais: prevenção da formação de novos mosquitos e o uso de repelentes e roupas que cubram braços e pernas (locais preferenciais). No calor de Mordor que faz aqui no Rio, usar roupas compridas parece fora de questão, então tem que caprichar mais na prevenção e repelente.

Repelente faz toda a diferença.

Obrigado pelo informativo, mas não tem polemica não?

Sim, vamos ver a boataria, os óleos de cobra e outros absurdos:

  • Boato no Whatsapp de que crianças e idosos entraram em coma após ter febre zica.

Até o presente momento, nem o ministério da saúde nem a fiocruz recebeu nenhuma notificação de algo parecido ter ocorrido. Poderia ser confusão com a síndrome de Guillain Barré, mas ela não deixa ninguém em coma, ela causa fraqueza muscular por danos a nervos periféricos.

Atualização março 2016: como os novos estudos mostram, crianças e idosos nem são grupo de risco, então mais um motivo para isso ser boato.

  • Vamos usar inseticidas e repelentes naturais a base de plantas.

Sei que vão me tacar pedra, mas como presente nesse texto do ministério da saúde. “Os inseticidas “naturais” à base de citronela, andiroba, óleo de cravo, entre outros, não possuem comprovação de eficácia nem a aprovação pela ANVISA até o momento”. Vários estudos mostram alguma eficácia da citronela como repelente. Velas e difusores diminuem os mosquitos no ambiente em torno de 20%, mas a área de alcance é pequena. O óleo essencial de citronela, passado na pele em grande quantidade e sem diluição, protege contra picadas por no máximo alguns minutos e a proteção cai para menos de 50% em menos de 2 horas. Isso é menos que o necessário para ser aceito como um ativo repelente. A andiroba e o cravo nem isso, com o sem não faz diferença. Então infelizmente os repelentes comerciais a base de DEET e icaridina são os realmente funcionais segundo vários estudos comparativos com repelentes “naturais”.

  • Ingestão de Complexo B repele mosquitos.

Desde que sou gente escuto essa história e já fui a médicos que recomendaram tomar (é bem similar à receitar vitamina C em gripe). Na literatura está mais que confirmado que o complexo B não altera em nada as picadas recebidas. Ou seja, a crença popular que o cheiro ficaria na pele afastando os mosquitos é furada, incluindo alho, cebola, inhame, feijão. Até o presente momento, nenhum alimento demonstrou capacidade de alterar o cheiro individual de uma pessoa. E o que atrai o mosquito é esse cheiro individual alem de umidade, umas pessoas atraindo mais mosquitos que as outras, assim como o calor. Então estar suado atrai mais, pois você fica quente, úmido e com odor mais forte.

  • A microcefalia na verdade é causada por agrotóxicos.

Poderia até ser, pois alguns agrotóxicos têm efeitos teratogênicos. Porém o que não se encaixa é o fato dos casos de microcefalia terem aumentado de forma absurda desde novembro, e não o uso de agrotóxicos na lavoura. A correlação parece não ocorrer entre eles. Além disso, outros vírus como a rubéola pode causar microcefalia, o que ajuda a culpabilizar o zica.

  • O zica é uma invenção, criado para encobrir um plano maligno de matar a população através de vacinação.

Olha, se vacinação é um plano para matar as pessoas, quem tramou é muito incompetente, pois ao invés de matar, as vacinas vêm salvando milhares de vidas. É triste que mais de 9000 casos de mortes de crianças não vacinadas registrados por doenças infantis desde 2008. Essas doenças não se manifestariam se elas estivessem vacinadas. Os casos de morte por causa da vacina reportados são bem menores que os reportados pela falta dela. Além de a associação com outras doenças, como autismo, já ter sido desmentido em milhares de outros estudos. Não seja um anti-vacinação, vacine a si próprio e a seus filhos, pelo bem de todos, incluindo os que não podem se vacinar. Se você é anti-vacinação, ou tem dúvidas do porque se vacinar, assista esse TED, por favor!

  • Mosquito transgênico causou o zica.

Quem viu o vídeo do ICB percebeu que o mosquito transgênico, que ainda está em estudo, diminuiu a incidência de casos de doenças transmitidas, pois não consegue se reproduzir. E o zica existia antes da fabricação do mosquito, então não pode ter vindo dele.

  • É uma praga de Deus.

Prefiro não comentar.

  • Na Africa tem Zica e não tem microcefalia.

Infelizmente, onde tem Zica na África, a mortalidade infantil é tão imensa que inviabiliza qualquer estudo, vai saber. Além disso, a incidência da má formação é relativamente alta nas crianças que sobrevivem. Na África a incidência de microcefalia é de 10.638 casos a cada 100.000 nascimentos. No brasil em epidemia, está em torno de 60 casos por 100.000, com tendência a aumentar. Ou seja, grande chance de lá também ser associado, mas nunca ninguém se tocou, pois tem HIV, citomegalovírus e outros que também causam.

Atualização março 2016: pode ser também por serem linhagens diferentes, talvez só a linhagem asiática pode ter evoluído para esse neurotropismo.

  • A culpa é dos refugiados Haitianos ou o zica veio com os médicos Cubanos

Quem disseminou isso não apenas é preconceituoso e babaca como ainda é burro, o Haiti e Cuba ficam na América e não na África. Os padrões epidemiológicos indicam que a doença veio da África ou Ásia e está se espalhando pela América a partir do Brasil.

  • Um lote de vacina contra rubéola na verdade continha o vírus ativo e causou um surto de rubéola ou o governo está encobrindo um surto de sífilis.

Quando perceberam os casos de microcefalia, a primeira ideia dos médicos foi a de que seria por rubéola ou outra doença associada, mas as crianças deram negativo para rubéola, sífilis, citomegalovírus, toxoplasmose, etc. Por isso, passaram a procurar outra coisa e começaram a associar à mães que tiveram zica.

Atualização março 2016: Os estudos com os fetos abortados de mães que tiveram zica, o dano provavelmente foi por causa do zica, presente também no tecido do feto. Mas temos que lembrar que a microcefalia ocorre em outros casos, então nem todo caso de microcefalia é devido ao zica, seja no Brasil ou em qualquer lugar do mundo e poucas mães que tiveram zica terão bebes com problemas, algo em torno de 5%.

  • Para matar os ovos do mosquito basta tirar a água dos reservatórios de água parada.

Não, tem que tirar a água e lavar com esponja e sabão. Senão a larva fica lá esperando a próxima água para eclodir.

  • Os ovos só são postos em água limpa e aquela água acumulada ali é suja.

Mitão. Até hoje não se demonstrou nenhuma preferência das fêmeas por água limpa. Elas põem os ovos em água parada. Qualquer uma.

  • Borra de café mata a larva.

Outro mito. As larvas se proliferam normalmente em água com borra de café. Se for colocar algo no pratinho das plantas, coloque areia até a borda, para não acumular água de jeito nenhum.

Pânico bônus

Já chegou nas grandes cidades a febre Oropouche. Ela é parecida com a dengue e primos, mas era restrita a Amazônia, em comunidades ribeirinhas. Ela tem os mesmos sintomas, além de dores nos olhos e fotofobia. A complicação pode levar a meningite. A diferença é que ela tem como principal transmissor o Culicoides paraenses (mosquitos-pólvora ou maruins, muito obrigada pela correção, Inês), mas ela também pode ser transmitida pelo Aedes. Pesquisadores acreditam que ela esteja sendo subnotificada graças ao surto de dengue e zica. Mais um bom motivo para usar repelente e limpar a casa de água parada.

Update jan 2016

  • Construir uma armadilha com água e detergente.

Muito usado no combate de formigas, a tradicional vasilha de água com detergente também está sendo usada para combater mosquitos. A ideia aqui é que o detergente altera a tensão superficial, impedindo que o mosquito fêmea pouse e coloque os ovos. Ao pousar, com a tensão diminuída, ela afunda e morre afogada. Eu não recomendo nem um pouco. Melhor não ter água parada.

  • Usar sal ou água sanitária na água

A ideia do sal é que a água deixa de ser limpa e fica “suja”, então o mosquito não pousa para por ovos. Como já visto acima, furada, ele coloca sim. Já a água sanitária pressupõe que o poder desinfetante vai matar a larva. Vi um estudo mostrando que a água sanitária não é forte o suficiente para matar as larvas, mas diminui sua quantidade por diminuir o alimento disponível na água. Então caso alguma água tenha que ficar parada, talvez seja interessante colocar água sanitária nela.

Update março 2016

  • O misterioso caso Sergipe

Sergipe é um dos estados campeões em microcefalia e até onde se sabe, com nenhum caso de zica reportado. O que acontece em Sergipe? Ainda não se sabe ao certo, mas procurando os ignorados pesquisadores locais, percebe-se que a epidemia de microcefalia de lá vem acontecendo anos antes do restante do Nordeste. E qual seria a causa? Segundo estudos preliminares, seria a consequência de sífilis congênita. A tempos os pesquisadores de lá estão jogando a bola para as autoridades da quantidade de casos de sífilis no estado e da total falta de tratamento para os pacientes, que não encontram bezetacil e similares nos hospitais e postos. As mães contaminadas passam a bactéria para seus bebes, e essa poderia ser a solução do mistério.

  • Porque só o Nordeste tem uma grande quantidade de síndrome congênita do vírus da zika?

Infelizmente, segundo os especialistas em vírus, porque a incidencia da passagem do vírus pela placenta é baixa e por enquanto a epidemia em larga escala só está acontecendo no Nordeste. Os números no Suldeste (se as pessoas continuarem a serem descuidades com o mosquito) devem começar a aumentar no segundo semestre. Além disso existe o fator pobreza extrema dos casos registrados. As população das cidades atingida no Nordeste tem renda familiar média de R$ 400,00. Os relatórios dos pesquisadores sobre os locais onde essas pessoas moram são de algo próximo a “valas a céu aberto”. Nas cidades maiores não vai acontecer algo tão drástico. O interior de São Paulo já começou a mostrar um aumento da síndrome de Guillain Barré e encefalites, e acredita-se que em breve o mesmo será visto em São Paulo capital e no estado do Rio, mas os casos de síndrome congênita do vírus zika serão baixos, pela reação de mães mais esclarecidas, que se protegerão.

  • Medicos argentinos e o pyriproxyfen

Mais um caso que mostra que a associação de lé com cré leva a boato. Uma entidade reporta sobre os danos que o uso de larvicidas ocasiona sobre o controle de mosquitos (uma verdade). Outra entidade cita a primeira, dizendo que larvicida causa danos (?). Uma terceira cita a segunda, dizendo que larvicida causa danos a saúde de humanos (?). Ai aparece no seu facebook que larvicida causa microcefalia em bebes (e a Monsanto entra de bonus brinde, porque se tem que tacar pedra numa companhia, vamos tacar na Monsanto, mesmo ela não fabricando larvicidas e sim herbicidas). Eu não fui checar se realmente existem estudos entre mutagenia, carcinogenia ou teratogenia em humanos (como é aprovado pela OMS, deve ter, mas honestamente não me importei). Fiz o caminho que todo mundo que recebe uma noticia nas redes sociais deveria fazer: checar a procedência. E rapidamente vi que foi feito um boato especialmente para espalhar pânico. Aí alguém pode ter ficado chocado porque eu disse que não me importo algumas frases acima. Sim, pois como biologa, a informação é irrelevante no momento, a minha preocupação está todinha em POR QUE CARALHOS AS PESSOAS ESTÃO USANDO UM LARVICIDA PARA COMBATER MOSQUITO???? Larvicidas e inseticidas devem ser usados em casos muito extremos, ou o efeito é o contrário do que queremos, aumentando a proliferação e resistencia. Já foram substituidos larvicidas exatamente porque os mosquitos se tornaram resistentes e mais difíceis de matar. O antigo fumacê perdeu a eficiencia devido ao uso errôneo e a resistencia dos sobreviventes. E vocês querem fabricar mais super-ultra-mosquitos? Realmente…