Pieter Claesz — Still Life with a Skull and a Writing Quill (1628) Oil on wood (24.1 x 35.9 cm)

Ascenda à Etérea Escrita

Introdução ao significado de Oecihen junto às entrelinhas do projeto.

Texto atualizado (reescrito) em 14 de Setembro de 2018.

Oecihen é um Projeto Literário cujo propósito é ascender-nos à consciência da plenitude inestimável da etérea Arte De Escrever. Só os que imergem seus Seres n’esta abíssica Arte, podem compreender a transcendência existencial que a mesma proporciona; Ela faz-nos abandonar o quotidiano rés e, de modo multiforme, nos embriaga com sua seiva. Há muitos anos esquecemos d’este verdadeiro significado e d’este verdadeiro poder da Escrita. Ela tornou-se, para muitos, apenas uma ferramenta da comunicação; no entanto não se trata apenas de comunicar-se-com; é por Ela e graças à Ela que transcendemos nosso Ser Singular e alcançamos o Eu puro e pleno.

A dialética da completude Humana só pode ser encontrada na Arte Escrita; esta dialética é o movimento e o equilíbrio da razão à emoção, do espiritual ao intuitivo, do instintivo ao consciente; a totalidade do Ser do ser humano só pode ser eternizada, compreendida, descrita e sentida por meio da Arte Escrita. Só nas palavras é que vinculamos todas as partes de nossa humanidade; e somente n’este vínculo podemos ascender a nós mesmos e transcender nossos limites humanos. Portanto, por que continuamos desdenhando a Escrita?

Oecihen é, em primeira instância, culto e louvor à Arte Escrita. Não de forma religiosa, mas de forma Existencial. Sem a Escrita, não haveria tecnologia, não haveria Ciência, não haveria pensamento abstrato ou projeção do futuro. Mesmo sendo a Escrita responsável por toda a Evolução de nossa espécie, nós a ferimos, a minimizamos, a execramos, a abandonamos.

Quanto tempo se passou desde que nossos antepassados deram à pedra cortante o nome ‘Lança’? Quanto tempo passou desde que nossos antepassados criam a palavra ‘Inefável’? Da ‘Lança’ ao ‘Inefável’ é preciso imensurável transcendência. Hoje ainda transcendemos? Quais palavras criamos? Quão fundo alcançamos nossos Ser?

Cultuo a Escrita porque sei de seu valor e, através de Oecihen, almejo encontrar outros humanos que d’isto igualmente sabem; e que bebem da Escrita, que respiram pela Escrita, que respeitam a Escrita e que a utilizam como meio para ultrapassar, como já mencionei, as falíveis margens humanas.

Ser Consciente do quão basilar é a Escrita nos leva a escrever com mais cautela, com mais respeito, com mais afeto; palavras robustas, bem trabalhadas e em minúcias esculpidas é o mínimo que podemos fazer para cultuar à Escrita de modo existencial. Quero que Oecihen seja o espaço propício para publicar e partilhar d’estas palavras.

A Poesia Pura está em todas as Artes, e principalmente na Arte Escrita, pois é na Poesia Pura que alcançamos mais consciência do valor das palavras. Por isso Oecihen será o ambiente do Existencial Culto à Escrita por meio da Poética Pura — que embora seja esculpida, não necessariamente será metrificada e ritmada. A Poesia Pura em elo ao Existencial Culto à Escrita nada mais é do que o ato de escrever pela consciência e pelos sentimentos, pela razão e pela emoção, cuidando de cada sílaba como se fosse um raro diamante dourado. Não valorizar mais o sentimento do que as palavras, nem mais as palavras do que os sentimentos; mas sim trazer à Escrita a totalidade humana e todas as suas características, mantendo sempre a consciência da Inestimável Escrita e todo o poder que Ela nos proporciona.

Escrever é um ato de poder, de transcendência, de significado.

Os que sentem a Escrita d’esta forma intensa e a partir de todo esse significado bruto, são chamados por mim de Ermos Seres Abissais. Ermos, pois, experimentam com mais frequência o paradoxo da existência nadificante — sempre que, por meio da Escrita, alcançamos nossa Plen’essência, acabamos por nos calar e sentir um suave sabor de absoluto nada; Abissais, pois, amam intensamento, odeiam intensamente, desejam intensamente, são um abismo de vida, um abismo de sonhos, um abismo de sentimento, de dúvida e de caos. Ermos Seres Abissais, morrendo e nascendo pelo que são, através da Escrita.

Breve história sobre o significado de Oecihen

E uma pequena apresentação da saudação Aehn Ehscia.

Oecihen nasceu da Linguagem Ílus. Ílus é uma linguagem transcendente e seu vir a ser se deu, pois, percebi ser preciso ir além dos idiomas atuais da humanidade para que se possa atingir o núcleo da compreensão de nosso Ser Singular, do Universo e da Verdade. O Símbolo utilizado como representante do Projeto Literário Oecihen, trata-se de uma letra do Alfabeto Ílus que denomina-se Oecihen. A letra tem o som “cehs”, com ímpeto introspectivo. Seu significado, para além do seu uso em Palavras Etéreas, não pode ser escrito em nenhum idioma que não Ílus, tal como todas as palavras, símbolos e códigos em d’esta linguagem. Não descreverei por hora o significado de Oecihen para não confundir a ideia central do projeto; mas para familiarizá-los um pouco com a Escrita Transcendente de Ílus, explicarei sobre a saudação Aehn Ehscia!

Aehn (aên — com a língua tocando os dentes frontais na pronúncia do N) Ehscia (êsciá) é uma saudação cuja finalidade é lembrar-nos de toda a filosofia escrita na introdução d’este texto. Por vezes cairemos no quotidiano, na superficialidade, no aquém de nossa potência ascendente e, por isso, pronunciar Aehn Ehscia! é uma forma de recordarmos da significação da Escrita o quanto ela nos proporciona de energia poética e autoconhecimento. Além disso, evoca-nos Gratidão — não a um deus ou uma entidade, mas a nós mesmos e à Existência-em-si-mesma que é por ser o que é que permite a construção de uma Linguagem e uma Escrita tão cruciais. Evoca-nos Honra por meio do reconhecimento, do afeto, da empatia, da consciência; temos ao que honras, nosso Ser Singular compreendido por meio da Escrita. Evoca-nos Adoração, pois que é de se adorar por tamanha beleza criada por nossas mãos, por séculos e séculos, o instrumento de nossa ascensão, a Escrita. Evoca-nos Entrega, pois a autêntica Escrita, a mais abissal, a mais íntima, a mais perfeita, é aquela nascida de uma genuína entrega absoluta às palavras e ao Existir.

Aehn Ehscia! acompanhará muitos dos textos escritos em Oecihen, principalmente aqueles que forem escritos para contar um pouco mais, tanto do projeto quando dos detalhes significativos que o envolvem.

Como fazer parte d’esta confraria

Se escreves com cuidado e paixão, se cultuas a Escrita, se sentis a Pura Poesia pulsando em tuas veias, então é suficiente.

Se te identificas o significado profundo do projeto e almejas participar, serás muitíssimo bem-vindo à confraria. Peço que escreva abaixo um comentário (é preciso ter uma conta no Medium para fazer isto) e diga-me o que sentes, pensas e compreendes sobre o projeto. Evidentemente deves escrever se queres ou não participar do mesmo. Lerei teu comentário e adicionar-te-ei como Escritor de Oecihen.

Em sua Poética de Estreia, deves escolher entre escrever uma Poehsi, ou uma Poesih, ou um Conto Poético ou um Texto/Reflexão/Análise sobre A Arte De Escrever. Deverás enviar-me esta obra por meio de rascunho “Draft” (acesse esse tutorial para aprender a enviar rascunhos, é bem simples). Lerei tua obra e a publicarei em seguida (ou programarei o dia que ela será publicada).

Poehsi (poêsi) é o nome que dei para poesias não metrificadas, nem sempre ritmadas e nem sempre escritas em versos. Poesih (poesí) é o nome que dei para poesias metrificadas, ritmadas e escritas em versos.

O autor poderá escrever quais desejar, uma vez por semana; deve ser livre, criativo, vívido, apaixonado; a Escrita é Liberdade, Poder, Consciência e Transcendência. Deguste, experimente, crie, mas não esqueça de respeitar o inestimável valor da Escrita.

Dúvidas e explicações pertinentes

Somos Filhos Da Escrita, nascemos de seu Ventre Vestal, temos na pele o estigma de sua seiva e a eutimia de seu calor.

  • Frequência de publicação: Serão feitas publicações semanais, uma publicação por autor. Sempre me comunicarei com os escritores de Oecihen através de mensagens privadas pelo Medium, por isso é crucial manter-se atento às notificações.
  • Imagens: Peço que os autores coloquem sempre uma imagem junto às obras, pois, elas permitem mais alcance e, consequentemente, mais divulgação. Imagens de pinturas, ilustrações ou desenhos de domínio público são as mais recomendáveis.
  • Divulgação: Todas as obras publicadas serão divulgadas em minhas redes sociais, na página Oecihen no Facebook e, futuramente, pelo Instagram de Oecihen.
  • Aprendizes: Todos somos aprendizes, aprender a valorizar a Escrita, Cultuá-la e Reconhecê-la é ofício de uma vida. Se alguém, jovem ou iniciante, se interessou pelo projeto, sinta-se à vontade para participar e aprender com os membros que já estiverem por aqui. Não somos donos da verdade, somos amantes e buscamos a transcendência. Ensinar com afeto sobre magnitude a Escrita é tarefa de quem a cultua. A Escrita é a única, lembrem-se, que nos proporciona a plena transcendência de nosso Ser Singular.

Quaisquer outras dúvidas podem ser sanadas, basta entrar em contato comigo pelo e-mail oannaselten@gmail.com ou pela página do Facebook de Oecihen.


Importante: Este texto pode ser atualizado mais de uma vez, conforme a necessidade de adicionar explicações específicas sobre detalhes técnicos do projeto.


Dê uma salva de “claps” para esta multíscia criação e aprecie as publicações de Oecihen: Onde os Ermos Seres Abissais, escrevem.