A lua de mel e o enxoval

Sempre gostei de viajar, explorar a pé ou mesmo transporte público os destinos e nunca tive problemas para dormir durante os voos. Pois é, nunca tinha feito uma viagem longa estando grávida.

O voo foi mais cansativo que o habitual e apesar da disposição no segundo trimestre melhorar bastante em relação ao primeiro, acho que a correria do casamento acabou cobrando a conta durante a viagem.

Mesmo mais casada conseguimos caminhar um pouco e aproveitar a viagem tanto para conhecer o local quanto para as compras do enxoval. Só tive que fazer pausas maiores e dormir até um pouco mais tarde.

Eu sempre gostei de crianças e sempre adorei olhar lojas de roupas e artigos especializados, mas só entrava para comprar presentes pontuais.

Entrar em uma loja de roupas para bebê com a intenção de fazer o enxoval da sua filha, nossa! Aquilo foi uma enxurrada de sentimentos e hormônios, achei que ia ter um treco. Se não fosse o marido, teria sido muito difícil manter o foco.

Loja de roupas de bebê

Cada peça de roupa que eu pegava ficava imaginando como ela ficaria ali dentro. Divagando sobre como ela seria, por quanto tempo usaria aquela roupa... Foi muito difícil escolher, porque é tudo tão pequeno, fofo e lindo!

Compramos o carrinho pela internet. Quando entregaram aquela caixa enorme no hotel, tudo que eu queria era abrir e montar e continuar imaginando como seria quando ela estivesse do lado de fora da barriga. (Acho que os hormônios já estava gritando alto para a ansiedade rs).

Foi uma semana deliciosa que serviu também para repor as energias. Voltamos de viagem com o enxoval feito, pelo menos a maior parte. [vou fazer um post com dicas de enxoval]

Continua em “A culpa é da placenta”…
One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.