Croshame.com

15 maneiras lacradoras de chamar atenção nas redes sociais

Não faz sentido frequentar uma rede vazia. Você não iria a uma festa só como meia dúzia de gatos pingados e a mesma regra vale por essas bandas, certo?

Pra aumentar sua rede, a política de boa vizinhança manda, então, explorar as ruas próximas, frequentar a pracinha do bairro, dar tchauzinho até ir conhecendo quem “mora” aqui por perto, verificando quem tem mais a ver, dando um "oi" pros residentes mais próximos e eventualmente chamando-os para um cafezinho no fim de tarde na beira dessa calçada virtual.

Enfim, estava eu executando o que manda o figurino, entrando nos perfis de conhecidos, fazendo um stalkzinho leve em quem segue quem, tudo direitinho. Sabe aquela história de fulano que segue ciclano que segue beltrano e que no final não amava ninguém? Ok, leve citação ao Drummond, pra sempre ficar com as metáforas literárias por aqui! Até que me deparei com amigos de amigos de amigos numa teia que me levou para mundos distantes e surreais. Parecia que estava mais e mais entrando num universo paralelo onde pessoas falam de si de um modo muito peculiar… Então, foi assim que cheguei nos 15 perfis mais lacradores do Medium, segundo minha humilde opinião e ranking parcial! Com esses descritivos não tem como passar despercebido.

Vou ocultar os nomes, por motivos óbvios, adotando o enigmático XXXXX, mas mantendo a descrição do perfil na íntegra. E sem mais delongas, apresento-lhes os perfis que mitaram por aqui:

1. XXXXX- Radialista, desempregado.

Cara, por que alguém se apresenta como desempregado? Sério. E pra quê? O que se ganha com isso além de reforçar uma imagem negativa de si mesmo, dando ênfase pra algo que pode, a qualquer momento, mudar? Certamente não será assim que a pessoa vai conseguir uma nova oportunidade de entrevista de trabalho…

2. XXXXX — Filha de Obá, a cara não é das melhores, mas o coração é bom até.

De novo uma auto-esculhambação desnecessária no meio de duas informações interessantes. Se a menina não tivesse chamado atenção para o fato do seu rosto aparentemente ser mal-diagramado, eu nem teria notado. Regra básica: valorize o que é bom, esconda o que não está tão incrível assim.

3. XXXXX-Escritor e polemista.

Esse é dos meus. Identificação imediata. No entanto confesso que fiquei com um certo receio de ver os tipos de publicações dessa pessoa, até pra não cutucar a onça com vara curta. Mas certamente ele deve ser seguidor do Diogo Mainardi e do Luiz Felipe Pondé…

4. XXXXX-Antes eu queria navegar. Agora quero fazer tudo o tempo todo.

Véi, na boa! O que isso quer dizer? Antes ele queria navegar na internet? No mar? E agora quer fazer tudo o quê, exatamente? Navegar era não fazer nada? Megalomania perde. Não alcancei.

Chantal Goya em "Masculin Féminin", 1966.

5. A guria que vê filmes do Godard

Essa tem um nicho. Os cineastas ou cinéfilos. E também já mostra logo que é chegada num papo cabeça, o que não deixa de ser um serviço para os desavisados. Nada de Blockbuster. O negócio dela é a mostra Capacete do Festival do Rio.

6. XXXXX- Guria que tem orelha de Spock e acredita ser gnoma.

Essa eu simplesmente amei. Queria conhecê-la de verdade e ver que super poderes ela deveria ter. Talvez ela carregue um pote de ouro e more perto do fim do arco-íris em algum lugar do Rio Grande do Sul, já que o “guria” não deixa dúvidas.

7. XXXXX- Possui distorção mental que leva ao lado mais bisonho.

Alerta geral. Chamando todos os carros. Fico curiosa em saber que tipo de “distorção” mental essa pessoa tem e o que exatamente seria o “lado mais bisonho”. E onde esse lado bisonho seria localizado. De qualquer forma, mantenha distância.

8. XXXXX-Escritor de gaveta.

Esse bateu aquele sincerão e logo de cara. Sem chorumelas. Simplesmente escreve e não publica. Pelo visto, nem no Medium. Com esse descritivo excitante, fico bem pouco interessada em saber que tipo de material ele deve guardar. Vale trabalhar um pouco essa auto-estima.

9. XXXXX-Candango idealista que sonha em ser realista para concretizar um impensável mundo anarco-vegano-comuno-permaculturista

Gente, esse gastou um tempinho pra criar essa mini-bio. Mas parece simplesmente chato. Põe tanto rótulo em si mesmo e já de antemão, que não deixa espaço pra mais nada. Mas o que dá pra perceber é que ele tá muito puto com essa $%&*@ toda.

10. XXXXX- Mutável, loquaz, volátil, sociólogo.

Eu fui entrando na onda da pessoa até chegar à última palavra: sociólogo. Os outros todos são adjetivos, mas ele termina indicando sua formação acadêmica. Será que ele defende que o somatório de alguém loquaz, mutável e volátil seja ser sociólogo? Tá bem, estou sendo bem rigorosa e metódica nessa análise. Admito que deu até uma certa poesia, mas é como se a última palavrinha não pertencesse ao conjunto. Sei lá.

11. XXXXX- Tenha paciência. Deus ainda não me terminou.

Esse também ajuda o interlocutor a saber que ele é modesto, humilde, contido. Um working in progress de pessoa. E que é temente a Deus. Fofo.

12. XXXXX — Quando não estou dormindo, estou reclamando.

Imaginem só trabalhar ou morar com essa pessoa? Existem os walking dead da série homônima e agora acabamos de conhecer o walking grumpy, que é o caso deste perfil. Pelo menos ele avisa logo.

13. XXXXX- Sempre com pressa e bebendo café.

Com esse descritivo eu até vi a pessoa em movimento. E rápido, porque ele não tem tempo a perder. É tipo o coelho da Alice no País das Maravilhas. “estou atrasado, muito atrasado” deve ser seu mantra. E que não falte café, porque esse cara não tá pra conversinha mole, não.

14. XXXXX — Até amaria o lar, desde que não o tivesse.

Poesia e descompromisso. Tudo no mesmo enunciado. Esse deve ser millennial ou caixeiro viajante.

And last, but not least:

15. XXXXX — Um jornalista que queria ser canhoto.

Ok, ok, ok. Esse é disparado meu favorito. Alguém que quer ser canhoto já é digno de nota. Olhem que coisa linda: essa pessoa é revoltada com a lateralidade do seu próprio corpo e quer logo se juntar aos bons. Nós, os canhotos, claro. Já vi gente descontente com seu gênero de nascença, mas querer mudar de mão que escreve, essa é nova pra mim. Eu indicaria exercícios diários com a mão esquerda. Desde abrir latas, tocar violão com o encordoamento invertido, usar tesouras, até escrever com letra cursiva. Se não der certo, pelo menos terá sido um bom passatempo, trabalhando o lado direito do cérebro. Aquele que é dado à criações geniais. Ah, sim, os canhotos também são bem modestos.