O 3x1 contra o RB Leipzig

18ª Rodada, retorno da Bundesliga pós pausa de inverno. Partida fora de casa contra o atual vice-campeão, time que o Schalke 04 derrotou por 2 a 0 na Hinrunde.

Se, quanto a resultados, a partida contra o Leipzig poderia garantir a manutenção da vice-liderança, taticamente ela serviu para demonstrar mais uma vez o papel fundamental de Max Meyer no Schalke 04.

Augustin, homem de referência do Leipzig, divide a função de ataque com outra tão importante quanto: bloquear Meyer o tempo todo. A ordem era clara. Sempre que Augustin deixava seu posto, sinalizava para que algum companheiro cobrisse sua posição e fechasse as linhas de passe para o 7 do Schalke 04. Sendo Meyer fundamental para a criação, restava ao time as jogadas com ligação direta ou trabalho de bola pela lateral, geralmente congestionada. Quando Meyer não era anulado, nas poucas vezes que recebia a bola era parado com falta.

O losango que perseguiu Meyer durante todo o primeiro tempo
Augustin e sua função de bloquear a saída com Meyer
Com a bola, sufocado

Na jogada do primeiro gol adversário, Harit sai de seu posicionamento e tenta cobrir espaço de jogador já marcado, deixando Keita livre para chutar, contando com desvio em Naldo. Falta leitura de jogo. Preferiu fechar uma linha de passe de um jogador já marcado do que de um livre.

Porém, no geral tivemos um primeiro tempo parelho, mas com Meyer anulado, Harit fora do ar, Schopf sendo obrigado a chutar a gol de fora da área e Di Santo (fora de posiçao) geralmente vindo buscar o jogo. Com o time sem criatividade, a bola mal chega em Burgstaller.

No 2º tempo, ironicamente após empatarmos com Naldo de cabeça, uma falha do mesmo originou o segundo gol do Leipzig, expondo a fragilidade do modelo de transição do S04, já que não possuímos jogadores à altura que recomponham a defesa de forma inteligente. Ao dar um chapéu na lateral esquerda, Naldo passa mal para Harit que é interceptado. A defesa deixa um buraco na intermediária, o que possibilita a jogada ser trabalhada pelo Leipzig. Nastasic fica inerte e o adversário recebe o passe nas costas dele. O time está perdido e completamente fora de posição. Apesar de terem salvado o time em vários momentos do campeonato, as saídas de Naldo são um problema, pois quebram a lógica dos 3 defensores fixos, dificultando a recomposição. Naldo é um coringa perigoso. Transitar de um 3–1–4–2 para um 5–3–2 em momentos críticos exige velocidade e qualidade técnica. O time vinha aplicando o modelo e efetuando bem as transições nos últimos jogos, porém contra o Leipzig não pôde contar com a mesma sorte de sempre.

Já no terceiro gol, passe errado de Harit (dá o passe com a cabeça abaixada, não percebendo que a linha de passe estava fechada), Pjaca erra o bote, Meyer também erra o bote em Bruma e perde o tempo da bola, já que o mesmo receberia o passe para fazer o gol. De todo modo, mais mérito para o Leipzig do que para falha do Schalke. Contra-ataque executado com perfeição.

Com o time perdido, a entrada de Pjaca, Embolo e, no finalzinho, de Konoplyanka, pouco surtiram efeito. Pjaca demonstra ser um jogador voluntarioso e de habilidade, porém falta muito ritmo de jogo e entrosamento. Nenhuma triangulação com Caligiuri e Embolo foi efetiva.

A derrota para o Leipzig, apesar de relativamente esperada, acende o sinal de alerta quanto às fragilidades da equipe e urgente definição de um time titular de qualidade.