Expectativas

Nem nos meus sonhos mais bizarros eu imaginaria o meu cenário atual. Na verdade eu imaginei uma série de coisas quando esse dia chegasse, imaginei que seria estranho, imaginei que seria engraçado, mas no decorrer dos meses eu sentia com toda a minha existência de que seria maravilhoso, mágico, e eu não via a hora desse dia chegar.

Pois os meses foram passando e, depois de atingir o que eu acho que era o pico do seu afeto, foi só ladeira a baixo. Cada dia mais estranho, cada dia mais distante, cada hora mais pesada. Mas nada estava acontecendo, estava tudo bem e eu tinha que relaxar.

Só que tudo estava acontecendo, e eu fui mantida no escuro por uma decisão sua, quando a decisão de ficar ou não deveria ser minha, já que você já tinha feito a sua escolha, mas ao invés disso eu fui silenciada e iludida com “tá tudo bem” “relaxa, cara” “deixa de paranóia”.

No dia de hoje eu achei que mandaria mil mensagens, receberia mais mil, a gente ia rir e você ia dizer que não via a hora de me ver. Mas não.

Não trocamos uma só palavra, eu não passei pelos seus pensamentos, enquanto você monopolizava os meus, e antes era um “talvez”, depois um “claro que sim”, depois um “talvez não dê, mas eu vou te ver”, e no fim, “acho que não vai dar”.

É, eu realmente acho que não vai dar. Eu vou guardar comigo de uma forma muito carinhosa a forma como eu imaginei esse momento, com o pensamento de que a gente ia se olhar, rir engraçado, se abraçar desajeitado e ficar juntos pelo resto da noite, e vou guardar como se isso tivesse acontecido, porque é uma daquelas lembranças que a gente queria ter, mas ela não vai passar disso porque não, não vai dar.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.