Review do Tozinho #3 — Entrei na Fera da Fruta

Se você acha os últimos filmes do Batman o máximo, véi, na boa, você não conhece o Batman — Feira da Fruta! Popularmente conhecido como Batima ou Batiman, o filme já tem 31 anos de sucesso! Não tem nem ideia do que nós estamos falando? Calma, a gente te explica!

Tudo começou quando os amigos Antônio Camano e Fernando Pettinati, no auge de seus 18 anos, resolveram fazer uma redublagem de um episódio da série de TV do Batman. Daí você pensa: e por que raios dois garotos fariam isso? Muito tempo livre? Também! Mas a questão é que o Fernando tinha acabado de ganhar um videocassete! =O

Tudo isso pode ser muito fora de contexto, hoje, mas imagina o que você faria se pela primeira vez na vida você tivesse em suas mãos um aparelho que pudesse pausar cenas e ainda permitisse a gravação de sons em cima da imagem? É claro que você iria chamar seus amigos tão sem o que fazer quanto você pra regravar um dos seriados mais legais e toscões da época.

E ainda bem que os caras resolveram fazer isso, pois o futuro da internet não seria tão completo sem essas tiradas sensacionais do Antônio, que virou Robin, e Fernando, que se transformou em Bátiman e Coringa. O mais legal é que a gravação foi feita de forma totalmente espontânea, sem nenhum roteiro pronto, o que dá pra perceber em algumas cenas pela risadinha no fundo. Dá só uma olhada:

// VIRALIZAÇÃO

De acordo com o próprio Antônio, o vídeo foi gravado em 1981, mas só foi bombar na web em meados de 2003. Depois dos amigos terem feito a redublagem, acabaram emprestando a fita e nunca mais a viram. Diz a lenda que um cara chamado Fernando Chiocca, que estudou no mesmo colégio de Pettinati, pegou a fita com um outro amigo da escola e virou um verdadeiro fã do vídeo, chegando até a criar um site para encontrar os dubladores do Feira da Fruta.

Então, nesse pequeno mundo que é a internet, eles acabaram se encontrando e o vídeo explodiu de vez. Róbin e Bátima viraram ídolos na websfera, participando de programas de TV, encontros de fãs e dando entrevistas. Com o youtube e as redes sociais, as visualizações tornaram-se ainda maiores e o vídeo já dura seus bons 31 anos.

Em dezembro de 2005, o vídeo chegou ao seu auge, como mostra o boom da busca por “Batman feira da fruta” no Google Insights:

No orkut, ainda encontramos 9 comunidades dedicadas ao fenômeno. A maior delas com 11.167 membros. Um outra tem até uma descrição ~daora~, com 1268 pessoas, chamada “Bateman FdF surtou meus amigos” — comunicade dedicada a quem tem amigos que após verem o filme surtaram com isso e apresentaram sintomas como: não conseguem mais se referir à uma mulher por nenhuma outra expressão que não seja “puta paga” ou “putinha relaxada”, não pode comentar com eles que horas são sem que eles digam “Eu sei ver hora porra!” e todas as conversas terminam em comer a tia do bateman, com alguém dizendo “Eu primeiro! Eu primeiro!”. =D

// CURIOSIDADES

  • A música que toca ao fundo de toda a dublagem é quem deu nome ao vídeo, “Feira da Fruta”, do Grupo Capote. A canção foi escolhida propositalmente porque tem uma sacanagem: ao ouvir, dá a impressão que o cantor tá dizendo “filho da puta“.
  • Hoje em dia, Antônio Camano trabalha com previdência privada e o Fernando Pettinati é gerente comercial.
  • O ilustrador Eduardo Ferigato resolveu homenagear o vídeo e chamou outros desenhistas para quadrinizar o Batman Feira da Fruta. Os quadrinhos podem ser vistos aqui.
  • Os criadores do Bátima escreveram um livro sobre a história e os bastidores do Feira da Fruta e pretendem lançar em breve.
Show your support

Clapping shows how much you appreciated A Igreja de Mussu’s story.