O nós me basta

Banco de imagens Unsplash

É uma delícia te abraçar, cheirar o teu cangote, e apertar sua barriga. Você adora e eu sei. Nada melhor do que chegar à sua casa e te pegar de surpresa, despenteada, com a roupa de dormir e com cara de raiva perguntando por que eu não avisei que ia te ver. Eu gosto da surpresa, e amo sua cara zangada. Quando você lava os cabelos e eles ficam lambidos, você amarra pra disfarçar, mas eu reparo mesmo assim. Eles são a você um tom de meiguice que quase nuca tem.

Aquela blusinha preta de há muito tempo, com um short velho que você tem… Eu enlouqueço! Você fica demais mesmo sem se arrumar, é que o seu natural me chama muito a atenção. O olhar por debaixo dos óculos, o sorriso tímido, a voz mais baixinha quando não quer que ninguém escute o que vamos falar. Eu nem falei dos vestidos, aqueles frouxos porque você perdeu peso, aqueles que você usa pra ajudar nas tarefas de casa, os mesmo que você explora a sensualidade que eles lhe dão em algumas fotos.

Eu bem queria sentar do seu lado numa calçada e ter você deitando a cabeça no meu peito, eu iria envolver você com meu braço, dar aquele cheiro e um beijo na sua cabeça, sorrir sem você perceber o tamanho da minha felicidade por estar ali. E se você quisesse deitar com a cabeça em meu colo, eu deixaria você dormir, até ajudaria deslizando os dedos na sua barriga e cantando baixinho pra você — acho que você gosta mesmo — uma música qualquer, ou alguma que você sabe que é sua, que eu lhe fiz.

Seria perfeito que nós dois dividíssemos aquela torta de frango, apesar de que sei que você comeria toda. Mas eu não me importaria, você poderia me subornar com paçoca de amendoim, eu ficaria satisfeito, mas não pelo alimento, mas porque você saberia meus gostos e eu os seus, assim como sabemos hoje, só que mais além. Mas o hoje é o que temos e nele somos o que somos. Não acho que mudaremos rápido, nem sei se vamos mudar, mas eu gostaria muito e pra melhor.

No hoje ainda posso te ver com o vestido de dormir que mais parece um pano de saco, nem me importo, mas não se preocupe, não vou dizer que fica linda nele também, prefiro ser sincero. A gente se conhece bem, a gente gosta um do outro, cada um do jeito que dá. Eu amo você, isso é fato inegável, todo mundo sabe, até sua mãe eu acho (risos).

Inclusive ela me perguntou uma vez, quando eu te abracei e fui embora, se eu gostava de você, dessa menina “réia”, só podia ser pergunta retórica, respondi que se não gostasse não estaria aqui. Eu estou e isso é animador, porque lá se vão quatro anos de crescimento do que sinto, do tanto que te admiro de como hoje te vejo mulher. Eu fiquei aqui no hoje sempre pensando no amanhã, e parece que esse amanhã tem que ter você, eu acho que ficaríamos bem juntos, com qualquer roupa, com qualquer cara, com qualquer amor.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.