Solitude

a sua lembrança é como líquido,
ela flui em todo meu ser.
aquele toque que arde e faz arte,
que queima e arrepia,
você nem sempre me olha nos olhos,
mas não faz mal, pois meu olhos
são seus.

o toque da sua boca ainda me assombra,
cada beijo é como um sopro de vida
que preenche todo meu peito e
suga tudo de mim, suga até mesmo
a sanidade.

o sentir é uma via de mão dupla,
estar contigo é sentir-me vivo
mas próximo da morte,
é sorrir quando deveria chorar
e cantar quando seria melhor calar.

você me pede para dormir cedo
mas nunca entende
a histeria de entrar no quarto
e não te ver.

Like what you read? Give Afonso Dias a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.