“Autores das dores, ardores de amores

Eu desviei desse calabouço e cai em tantos rancores

Aventurados de uma despedida

Parece um livro de tristezas é o livro aberto de toda minha vida

Minha estrada, sofrida, com a pele ardida

A mente resfriando o que a consciência já tem de fria

Eu sofria e sorria más nem sabia

Que o arrependimento era uma etapa em minha própria covardia

E eu culpava o meu mundo pelo que ocorria

Pensando no inverso do seu universo na rede de mim

Centro de tudo que eu queria ser, deixando de lado que todo humano é seu próprio prazer

Simpatizei na alegria de si, e vivendo a liberdade eu nem mesmo pude me ver cair

No seu mundo sequer eu previa e eu só me escondi

Sabendo dos meus defeitos eu só não senti

Pois eu passei de barriga vazia por ti

E sem minha fome de você eu nem sequer te conheci”

-Alanz0R

Like what you read? Give Alanzor (Rapture) a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.