Sobre Adoração: Reconhecendo a Vontade de Deus Mesmo Nas Declarações da Sua Palavra Que Não São Muito Claras

Por Jeremiah Burroughs

Esse é um ponto muito necessário para nós, pois o vão coração do homem, quando Deus exige alguma coisa que não convém aos seus próprios fins, discorda e se indispõe contra essa exigência. “Onde é que está escrito?” dirá ele. “Você pode me apresentar um texto bíblico específico sobre o assunto? Só creio se você me apresentar algum texto específico provando isso”. E assim ele permanecerá até que sejam apresentados vários textos bíblicos que proíbam tal coisa ou ordem que se faça outra.

Mas irmãos, se vocês são do tipo de gente que não evita nada nem passa a fazer nada se não tiver por base palavras claras das Escrituras, é possível que, por conta própria, estejam avançando em direção a perigos e a pecados terríveis. Saibam que Deus revelou grande parte da sua vontade de maneira que só é possível conhecê-la juntando as peças aqui e ali. E Deus espera de vocês o seguinte: mediante o exame das Escrituras, se uma coisa mais do que outra parecer a sua vontade, vocês devem seguir o caminho que mais parece ser a vontade de Deus.

Já temos dito que, em matéria de adoração, precisamos de ordem direta vinda da Palavra, mas isso não significa que em tudo precisamos de uma ordem direta, expressa. Como acontece muitas vezes em certas pinturas, a grande arte consiste na fusão de perspectivas. Vocês não têm como dizer que a beleza se encontra neste ou naquele traço, pois ela reside no conjunto. É a fusão das perspectivas que produz a beleza da tela. Assim também nas Escrituras, não há como dizer que este ou aquele traço prova o todo, mas coloquemos todo juntos e surgirá então um figura da vontade de Deus. Podemos discernir que a vontade dele é esta e não aquela, e nossa obrigação é seguir este caminho.

É possível que Nadabe e Abiú tenham visto que deveriam usar fogo do altar em vez de outro fogo qualquer, mas se atreveram a usar fogo estranho porque não tinham uma Palavra expressa. Você pode ver que tudo aconteceu por conta e risco deles mesmos. Oh, tome cuidado para não resistir e lutar contra aquilo que é ordenado simplesmente porque não o vê expresso de maneira clara! O Senhor ordenou as coisas assim, especialmente no Novo Testamento, para a normatização da igreja. Você não encontrará mandamentos explícitos para uma grande quantidade de coisas, e também nem sempre achará um exemplo claro. Mas compare uma coisa com outra, e aquilo que parece mais próximo da mente de Deus deve ser suficiente para nos compelir a andar segundo o que parece mais de acordo com o que está nas Escrituras. Um coração humilde chegará logo a esse entendimento; outro homem, não.

É fácil perceber que, em coisas que ajudam as pessoas a alcançar seus próprios objetivos, não se faz necessário grande esforço para persuadi-los, embora um ou outro possa levantar alguma objeção. […] As pessoas concordam com coisas que as ajudam a alcançar seus próprios objetivos e caminhos, mas outras coisas, que crucificam a carne, que se opõem à frouxidão e trazem os homens sob governo de Cristo, contra essas coisas elas se posicionam. Eles precisam de instruções claras e específicas, ordens específicas e claras da Palavra, tim-tim por tim-tim, caso contrário, não se submeterão

de maneira alguma. Esse é um ponto que, se Deus fixasse em nosso coração, seria de grande proveito. Um coração enxergará a verdade por meio de uma pequena fenda. Mas é de surpreender o trabalho que dá a convencer um homem a respeito de algum aspecto da vontade de Deus, antes que seja humilhado, e como é fácil convencer um homem depois que já foi humilhado.

(FONTE: BURROUGHS, Jeremiah. Adoração Evangélica. 1ª Edição. Editora Os Puritanos: 2015, pp. 31–33)