Da visão de você fumando logo cedo

Nunca me senti bom o suficiente para você.

Me lembro perfeitamente de observar o seu rosto, as linhas fortes do seu maxilar, a sua boca e o modo como ela se movia, sempre dando a impressão de que estava prestes a dizer a coisa mais interessante do mundo.

E mesmo que para os outros as coisas que você dissesse não fossem tão interessantes assim, para mim elas eram. Eu intimamente torcia para que aquilo fosse o suficiente.

O que você chamava de mistério era a minha tentativa de me manter distante o suficiente pra não transparecer o quanto eu me sentia dependente de ti. Do teu colo. Do teu cheiro. Da visão de você fumando logo cedo.

Você se tornou muito rápido e com uma facilidade incrível o meu “safe place”, mesmo nos momentos em que não trocamos uma palavra sequer eu sentia que você estava me consolando da maneira mais eficaz possível.

É desconfortável pensar que mesmo depois de tanto tempo ainda não superei essa dependência, e mesmo que em alguns momentos eu sinta que você também não superou, a sensação de que tudo isso pode acabar mais rápido do que a fumaça do cigarro escapa entre os seus lábios me assusta.

Nesses momentos de dúvida sempre tento me lembrar dos seus abraços e de como dentro deles eu me sentia a salvo de todas as coisas e no fim, pode ser que eu nunca seja bom o suficiente para ti, mas espero que você possa ser bom o suficiente para deixar um espaço para mim.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.