Aqui nessa mesa de bar…

Experientes filósofos da noite advertiriam: religião, política, futebol e sexo deveriam ser assuntos proibidos em bares. E o que seus discípulos fazem com esta advertência? A desobedecem.

Tendem ao infinito os assuntos que surgem em uma mesa de bar, que variam de problemas conjugais a confissões quentes em um jogo de Eu nunca. Mas, o mais incrível sobre essas conversas são o teor de clareza que elas trazem, a quantidade de ideias nunca antes imaginadas que elas acompanham, mesmo que no dia seguinte você não se lembre de nenhuma.

Política é a pauta da vez — devido à proximidade das eleições e a vontade de cada um de inflar os feitos de seu candidato, à medida que traz para a roda de conversa os escândalos envolvendo o opositor. Mas bons frequentadores de bar sempre esfriam os ânimos com uma nova rodada de chopp “bem gelado viu amigo!?”

Enquanto isso, na mesa do cantinho — onde a luz é mais discreta — uma amiga consola a outra, que não sabe se chora ou se pragueja até a última geração o sujeito que a fez de boba. Por via das dúvidas, desce mais uma caipirosca. O garçom traz o pedido e um bilhete vindo “daquele cara ali no canto do balcão”. Saúde!

Os estudantes da mesa 10 estão falidos, pediram uma garrafa de Catuaba pra dividir. O investimento vai ser baixo, mas sob o efeito do álcool vão sair pelo menos três ideias milionárias, que eles vão desenvolver e fazer um pouco de charme antes de vender para uma multinacional.

O casal daquela mesa do lado de fora decidiu morar junto depois de meia caixa de cervejas — as declarações de amor e as conversas quentes foram de causar rubor e inveja. Já que o casal da mesa próxima não tirou os olhos dos smartphones, nem mesmo para fazer uma selfie.

Joana tem preguiça do estereótipo de que mulheres que transam sem compromisso e sem neuras são mal vistas pela sociedade. Ela e as amigas chamaram o Zé, garçom, para dar uma opinião masculina. Já o Zé, esse herói galanteador de bar, ganhou várias fãs e uma gorjeta gorda.

O Jurandir é o colega do Zé que está servindo as mesas do segundo andar. Ele está tendo um pouco de dificuldade para carregar as duas garrafas de vodka e o balde de gelo com energético da mesa 5, mas difícil mesmo vai ser explicar para o pessoal que não, não dá para mudar aplaylist no som (regras da casa).

No balanço da noite: gorjetas generosas, 2 freezers para encher, 5 porções de fritas, 6 cachaças e uma música, que o “poetinha do balcão” escreveu. Se virar hit ele garantiu que divide osroyalties com o Zé e o Jurandir.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.