Tem certeza?

Histórias deletadas [não] vão embora para sempre

Foi não foi, tenho a ideia pra um texto e corro logo pra cá. Na maioria das vezes só pra colocar o texto no forno e melhorar no futuro — seja ele próximo ou nem tanto.

Quando você escreve um texto e não o publica, ele fica salvo automaticamente como um draft aqui (um rascunho, no bom português). Pode-se escrever inúmeros rascunhos, sem problema. Então criei o costume quase semanal de vir aqui e, entre uma leitura e outra, checar os meus rascunhos. Reler alguns [ou todos] , ver o que permanece, o que vai ser publicado… Geralmente (99% das vezes) eu adiciono alguma coisa, edito, mudo parágrafos de lugar… Alguns ficam quase completamente diferentes de quando começaram — já dizia um professor meu: Sempre tire um tempo entre uma revisão e outra. Incrível como você vai fazer melhorias e ver coisas que passaram despercebidas. Muito verdade.

No entanto, um ou outro texto acaba simplesmente estacionando. Edito umas coisinhas, mas a coisa não flui. Ele passa semanas ali e percebo que não vai sair muito mais e o que tem pronto não é suficiente — foi só coisa do momento. Nesse caso, o processo é simples: clicar nos três pontinhos na barra superior e selecionar Delete draft (excluir rascunho). Aí, aparece uma janelinha pequena, com a pergunta que entitula este post:

Are you sure?
Deleted stories are gone forever.

[Tem certeza? Histórias deletadas vão embora para sempre]

Normalmente, o clique no okay é rápido, não penso duas vezes. Mas, em alguns momentos raros, algo me faz olhar para a pergunta e ter medo de deletar. Afinal, tem tanta emoção naquele texto… Pode ser que ele se torne algo melhor… Deixa ele aqui mais um pouco.

Já reparou que fazemos quase a mesma coisa com alguns relacionamentos? Sejam eles amizades, amores, colegas… Tem gente que chega, começa a escrever uma história e… Estaciona. Sem mais nem menos, alguém apertou o Stop no controle e, por mais que você tente seguir em frente ou voltar ao que era, as coisas não saem do lugar. Nesse caso, não estão paradas necessariamente em um lugar bom. É como se a cena sofresse um corte na metade, o jogo tivesse sido interrompido, a melodia tivesse parado de tocar.

Mas você insiste. Afinal, aquela história é sua também, oras! Tem momentos bons, dias que tudo parece ter (re)começado a caminhar… Porém, você volta a perceber: a história parou.

Entenda, é perfeitamente normal tentar completar a história, querer remediar… Só que muitas vezes quanto mais você tenta, mais aquilo te machuca. Já tentou conversar com alguém que não quer papo? Frustrante, né? Mesma sensação, só que um pouco mais dolorida Como diria um grande amigo-escritor: Poucas coisas incomodam tanto como historias que acabaram da forma errada.

E aí, surge a escolha: excluir. Claro que não dá pra deletar alguém da vida — embora essa opção soe tentadora às vezes. Mas há momentos que é preciso assumir que as coisas não vão progredir…

…você preserva as lembranças maravilhosas, mas, se dá conta que precisa seguir em frente. É perfeitamente normal.
(O milagre — Nicholas Sparks)

E a partir daí, quando você finalmente deixa, as coisas fluem melhor, porque você para de criar expectativa (@raquelmorais). Tudo depende de uma escolha — nem sempre fácil, admito. Mas nesse caso, histórias não serão deletadas pra sempre.

A gente nunca sabe o que vem pela frente…

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.