O Futebol é simples

Essa noite eu sonhei que vocês eram só crianças brincando de jogar bola na rua. Não havia traves, no máximo dois chinelos alinhados, e muito menos gramado, os times levantavam poeira e os moleques enchiam os olhos de terra. O futebol, por outro lado, não era de encher os olhos. Pouco importava esse tal de esquema tático: o negócio era fechar lá trás e mandar bola pro artilheiro.

Quando os corpos já estavam cobertos de suor e terra e o cansaço fazia a perna vacilar, começavam as brigas. As inexplicáveis e intermináveis brigas, ou um monte de moleque se atracando. Aos poucos vocês iam para casa buscar o carinho de suas famílias. Até porque, no outro dia, a rua estaria pronta para recebê-los de novo.

Assim vocês cresceram. E essa parte não é mais sonho. Vocês, de fato, cresceram. Uns mais do que os outros, é bem verdade. Agora vocês têm responsabilidades bem maiores. A faculdade, o emprego e até filhos. Mas, o futebol ainda vive em cada um de vocês. E mesmo que vocês usem camisas e chuteiras bonitas ou pisem gramados verdinhos, ainda há um pouco daquele moleque em cada um.

A alegria, a simplicidade e o entusiasmo de chutar uma bola de meia ainda existem aí? Então, vamos time! Vamos jogar com a pureza de moleque e a seriedade dos homens que vocês se tornaram. O futebol é simples. É a nossa alegria. Ele nos motiva e nos mantém unidos. Nos torna amigos. Porque quando o tempo passar e tudo o que nos restar for história, o mundo saberá que existe um povo chamado Pianinho.