Câncer e mudança de hábitos — Nutrição

Eu sempre procurei me alimentar bem, eu juro! Embora eu seja louca por doces (todos os dias eu comia pelo menos um docinho), eu sempre tentei comer frutas, legumes, verduras e evitava gorduras, exceto a da picanha. Eu até me orgulhava da minha filha mais nova, a Bia, nunca ter experimentado refrigerantes.

Palmas para ela!!! Não dá refrigerante para a filha de 3 anos mas dá chocolates, iogurtes industrializados, bolachas e biscoitos carregados de açúcar. HAHAHA

Sempre fui louca por comida, louquinha! Para não engordar eu ia para a academia, malhava, fazia muay thai, boxe, futebol, dança, tudo o que gastasse calorias… só para poder comer mais um pouquinho. Acho que eu vivia para comer, chegava a pensar com muita antecedência nos pratos deliciosos que faria no final de semana.

Mas nessa sandice, confesso que ingeri muito alimento que não fez bem para o meu corpo. Nunca vou saber exatamente o motivo de ter aparecido um câncer em mim: se foi por uma vida de stress, se a minha cabecinha (que eu descobri ser bem bonitinha) e as minhas emoções conspiraram contra mim, se foi por alimentação inadequada, ou por nenhuma das opções anteriores, e eu realmente tinha que passar por essa fase. Eu nunca vou ter certeza. Mas eu fiz um compromisso comigo mesma, daqueles para a vida toda: O que eu puder fazer para curar, evitar uma recidiva e não deixar essa doença entrar nunca mais na minha vida, eu VOU fazer.

A primeira mudança de hábitos que adotei logo que descobri o câncer, foi na alimentação. Neste primeiro momento, estou focada em contribuir para o sucesso do meu tratamento, então, as mudanças que mencionarei aqui estão mais ligadas à cura do câncer. No entanto, creio que são hábitos para a manutenção de uma vida saudável para qualquer pessoa. Vamos por tópicos.

Água

A água é um clássico né? Pois é, eu me apeguei com força ao hábito de beber água, no mínimo 3 litros de por dia. Ela é fundamental na eliminação dos quimioterápicos e dos corticoides da circulação, além de não deixar os rins sobrecarregados. Me ajuda também a diminuir os desconfortos da constipação.

Tão bom quanto a água, são os chás (sem açúcar) e a água de coco. Ultimamente só ando com a minha garrafinha rosa a tiracolo.

Sucos

Incluí a ingestão diária de sucos de frutas, verduras e até de legumes na minha dieta. Podem acreditar, são mais gostosos do que parecem.

Para manter a minha imunidade supimpa e meus “leucócitos matadores” (muito amor pelos meus leucócitos), eu abuso dos sucos frescos misturando frutas e folhas, tais como salsa, couve e até brócolis. Assim estou ingerindo importantes vitaminas e minerais, que são absorvidas rapidamente pelo organismo e alimentam as células saudáveis do meu corpo.

Incluir proteínas

A quimioterapia e a radioterapia apresentam efeitos adversos que podem comprometer o estado físico, imunológico e nutricional. E para evitar a “temida” sarcopenia (perda muscular), e contribuir para a melhora da qualidade de vida do paciente oncológico, é importante aumentar a ingestão de proteínas. A falta delas no nosso organismo pode prejudicar e muitas vezes até interromper o tratamento (nãooooo).

Então a sugestão é:

  • Carne bovina (recomendação de 3x / semana), aves e peixes (desde que cozidos, assados e/ou grelhados).
  • Leite, queijos não amarelos, iogurte.
  • Leguminosas como feijões, lentilha, ervilha e demais fontes de proteínas vegetais.

Aumentar a ingestão de frutas, verduras e legumes

Nada de novidades aqui! Aumentei consideravelmente a ingestão diária de frutas (4 porções, incluindo os sucos), e me desafio a comer pelo menos 4 legumes e 2 tipos de folhas por dia.

Minha geladeira mudou! Aqui em casa não faltam couve, brócolis, espinafre, abobrinha, cenoura, beterraba. Comprei pela primeira vez o Inhame, ainda não usei, mas fiquei emocionada. rsrs.

Reduza ao máximo a ingestão de açúcar, sal e farinha branca

Isso é o mais doloroso, com certeza. Mas com o tempo a gente acostuma, é sério. Contei para vocês que o paladar fica alterado durante a quimioterapia? Ô sofrência, né! Os alimentos não tem mais o mesmo sabor pra mim, sem sal, sem açúcar, sem gosto. Já que é assim, vamos aproveitar e fazer do limão uma limonada!

Você sabia que o açúcar “alimenta” o câncer? Sim, está mais do que comprovado (esse assunto merece um post exclusivo, em breve). Em meus estudos, pude perceber que essa concepção é unânime entre os pesquisadores e médicos. Então, com aquela dor da despedida, eliminei o açúcar branco em casa, e comprei o açúcar demerara e o mascavo, além do adoçante natural Stévia. Eu poderia passar horas falando sobre isso, mas não vou me alongar, ok?

Tento todos os dias diminuir o sal nas refeições. O excesso de sódio pode ser um vilão no tratamento, e não é só na forma de sal (cloreto de sódio) que ele é encontrado. Portanto, evite embutidos em geral, alimentos congelados, refrigerantes, sucos industrializados, temperos prontos, todos riquíssimos em sódio.

Troquei a farinha branca por farinhas integrais: amaranto, farinha de arroz, farinha de linhaça, farelo de aveia… e muitas outras! Estou me aventurando em receitas e todo dia tem um lanchinho diferente para as crianças ❤

Suplementar é importante — Glutamina, minha querida

Devo dizer que fiquei demasiadamente triste quando descobri que um dos efeitos da quimioterapia era a perda de massa muscular e óssea em pacientes oncológicos. Ó céus, de nada adiantou acordar as 06:00 da manhã e ir fazer musculação? Ah, fui atrás de saber mais e estudar alternativas para minimizar esses efeitos do tratamento. Foi então que descobri a Glutamina (letra inicial maiúscula, pois pra mim ela é minha Best Friend).

Tirei todas as minhas dúvidas com uma nutricionista oncológica que me acompanha. A glutamina é o aminoácido não essencial livre mais abundante no plasma e no tecido muscular. É também uma importante fonte energética para os macrófagos, linfócitos e demais células do sistema imunológico (Gravou?). Durante o tratamento com quimioterapia há severa queda desta substância, e o organismo fica vulnerável a infecções oportunistas. Quando suplementada, a glutamina tem efeito anticatabólico (pois aumenta a hipertrofia muscular), além de exercer forte atuação no estado de hidratação celular, função intestinal e prevenir as mucosites (inflamação da parte interna da boca e da garganta).

Eu uso a glutamina em pó, em porções de 10g diluídas em 50ml de água.

  • 10g pela manhã, em jejum, meia hora antes do café da manhã.
  • e 10g antes de dormir.
A branquinha… glutamina

Outras dicas para pacientes oncológicos:

  • Evite alimentos crus: Estes podem ser perigosos, já que costumam apresentar alta concentração de bactérias. Dê um “até breve” àquela comida japonesa que você adora. Ao quibe cru também :(
  • Fracione bem as refeições: Fracionar as refeições e comer devagar, mastigando bem os alimentos, ajuda tanto a diminuir as náuseas quanto melhorar o apetite. Coma sempre de 3 em 3 horas, nunca fique muito tempo sem comer.
  • Procure um nutricionista: O acompanhamento do tratamento por um nutricionista pode até mesmo evitar complicações no processo.

Ana, mas por que você se preocupa tanto com o seu sistema imunológico?

Sabe o que é, embora eu esteja super bem, curtindo estudar, falar e escrever sobre o câncer, eu quero muito que essa fase passe logo, que essa lagarta careca aqui se transforme em uma linda borboleta lilás… hahahaha (ri alto). E para que isso aconteça, minha imunidade precisa estar sempre boa. É preciso lembrar que a quimioterapia reduz a produção de leucócitos, e de uma forma geral, os pacientes oncológicos são imunosuprimidos (quando o sistema imune esta com baixa atividade). Antes de cada ciclo quimioterápico, faço coleta de sangue e vários fatores imunológicos são analisados, entre eles os leucócitos e eritrócitos. Caso estejam abaixo da referência aceita, é necessário postergar a quimioterapia até que eles se normalizem. Eu disse postergar!!! Entendem minha pira pelos meus leucócitos?

Então,meus amigos, vamos nos desafiar a adotar hábitos saudáveis, um pouco a cada dia até que se tornem naturais. O que acham? Topam? ❤