Por que “To ouvindo alguém me chamar” do Racionais MC’s é uma obra de arte genial.

Seja você um fã e admirador de Rap/Hip Hop, ou não, sem dúvidas que você já ouviu falar do grupo de Rap mais conhecido do Brasil e um dos maiores do mundo chamado RACIONAIS MC’s. Seja novo ou velho, se você mora em uma cidade grande, sem dúvidas você já ouviu uma música deles (mesmo que não saiba, talvez).

Mas, caso acima de tudo você não conheça a obra deles, ou já seja um admirador e“fã nº 1”, como muitos dizem, vale sempre à pena se aprofundar mais na obra do grupo. Hoje, estou aqui para dar a minha OPINIÃO PESSOAL sobre uma de suas letras, a mencionada no título deste texto: “To ouvindo Alguém me Chamar”.

Essa música é do quarto álbum de estúdio da banda, chamado “Sobrevivendo no Inferno”, lançado em Dezembro do ano de 1997 pelo selo da Cosa Nostra. Tal álbum é considerado por muitos ao lado de “O Rap é Compromisso” (2000) do Sabotage, também lançado pela Cosa Nostra, o maior álbum da história do Rap Nacional.

Assistindo um excelente documentário chamado “O Rap pelo Rap”, lançado no final do ano de 2015 no YouTube (link disponível no final deste texto), em que o documentário percorre o Brasil passando pelas principais cenas do Rap pelo país afora, percebemos que o álbum do Racionais é muito mencionado por diversas figuras durante o doc.

“O álbum é um manual para negros.[…] ‘Acorda mano! Você quer saber por que você ta ai, preto e fudido? É por causa disso daqui ó!’ ” — Flow Mc

Algo muito interessante a se colocar neste texto, é que sabemos que o RACIONAIS MC’s é um grupo que, enquanto Sabotage era vivo (e ainda hoje) sempre o respeitou muito e o idolatrava. Embora, saibamos, Sabotage tenha surgido pouco depois do Racionais. Isto, por que, na minha opinião pessoal, Sabotage, que foi um homem que passou 15 anos na cadeia devido a uma vida de crimes, e dentro da prisão descobriu seu talento para o rap, é a encarnação perfeita, a própria materialização dos personagens criados e citados pelas letras do grupo Racionais MC’s. Enquanto que o Racionais sintetiza a periferia e sua realidade e das pessoas que vivem nela em suas letras, o Sabotage é a própria periferia. Claro que os membros do Racionais vieram do mesmo lugar que ele, mas se formos comparar quem teve uma vida mais difícil e uma dificuldade muito maior de se sobressair na vida apenas com talento, esta pessoa foi o Sabotage, que com apenas um álbum (Rap é Compromisso) revolucionou a história do Rap.

Mas o que isso tem haver com a letra “To ouvindo Alguém me Chamar”, não é mesmo? Bem, a letra fala sobre um destes personagens em que podemos ver o Sabotage. Vamos a ela então:

A letra conta a história de um individuo que acabou de ser baleado a mando de um antigo parceiro de sua época de criminalidade, conhecido na letra como “Guina”. Guina acreditava que ele o tinha dedurado para a polícia e por isso estava preso. Em seus últimos momentos de vida, este mano relembra toda sua trajetória, desde sua entrada na vida do crime, passando pela loucura nas drogas, abandono da família e perca na sua fé em Deus e arrependimentos.

Apenas com isto já podemos perceber que a letra engloba temas importantíssimos que vivem na triste realidade da periferia: Religião, drogas e família, por exemplo.

A maior genialidade para mim na letra é a “viagem temporal” que ela lhe proporciona. Primeiramente, no começo da letra ouvimos um homem dizendo:

“ — AÍ IRMÃO, O GUINA MANDOU ISSO AQUI PRA VOCÊ!”

Tal homem que o matará logo em seguida. Então, começam as memórias de nosso protagonista, lembrando de seu parceiro Guina e de como se conheceram e como o Guina ajudou em sua entrada na vida do crime. Ele queria ser como o Guina. Ter uma moto cara, uma mulher gostosa, e andar com roupas da moda. As ambições básicas de qualquer garoto que nunca teve nada na vida, na maior parte dos casos.

Em um momento, ele diz que uma vez Guina falou para ele que não sabia o que era amor, e que sentia somente ódio. Vemos ai então algo que raramente podemos ver em obras do tipo. Pessoas feridas pela vida, principalmente as que vem de baixo, não costumam demonstrar muito os seus sentimentos. Às vezes os julgamos insensíveis, mas é perfeitamente compreensível se pensarmos que essas pessoas não tem as válvulas, os meios, e a coragem de dizer o que sentem para não se sentirem fracos, pois nasceram em um mundo mais duro e difícil de se viver, e ser fraco significa morrer cedo.

Mais uma vez, Mano Brown se destaca com sua genialidade. Por que para fazer uma obra de arte que toque alguém, é necessário poesia, e para haver poesia, é preciso sentimento.

Se saltarmos para o fim da letra, quando chega a parte em que ele narra os momentos que precedem quando foi baleado, não escutamos o homem gritando com ele novamente, como vimos lá em cima, por que estamos dentro de sua cabeça e ele simplesmente não escutou aquilo, apenas sentiu os tiros.

A narração do personagem sofre pausas através da fala “Se eu sair daqui eu vou mudar, to ouvindo alguém em chamar”. A cada vez que ele diz isso, antes de retomar sua história novamente, temos a sensação de que ele está tentando sobreviver e retomar sua consciência, e não deixar que sua vida simplesmente passe diante de seus olhos como em um último ato.

E por fim, no fundo de todo o roteiro maravilhoso que dura DEZ MINUTOS, digno de um filme, todo o deslocamento temporal, a critica social, a fé, a família, o sistema, os sentimentos, temos o som, é claro!

E este som, no rap sendo a batida, foi feito nada mais nada menos que por outro gênio: KL JAY. Que deixa no meio da batida o tempo inteiro o som de batimentos cardíacos captados por aparelhos médicos, sinalizando a vida do protagonista.

Uma obra completa e magnífica.

___

Link para o Documentário: http://migre.me/sO7Re

Link para a música: http://migre.me/sO7Ud

Link para Sobrevivendo no Inferno: http://migre.me/sO7VM

Link para Rap é Compromisso: http://migre.me/sO7WH