Literalmente Olímpico

Em uma noite sombria, um recém-nascido foi abandonado em uma caixa de sapatos, na cidade de São Paulo, em 4 de agosto de 1951. Ficou sob tutela do Juizado de Menores até os seis anos, quando foi para o Lar e Escola São Francisco.

Luiz Henrique Medina é o nome do homem que era o bebê. Ele nasceu sem os dois antebraços, a perna esquerda, a língua e o maxilar inferior, mas as deficiências nunca foram um obstáculo para conquistas de seus sonhos.

‘ Não tive uma família para me ajudar, está foi uma outra superação que tive que passar.’- Afirma.

Mais conhecido com Caíque, é um Olímpico, tanto na vida quanto no esporte. Apenas para falar foram mais de 50 cirurgias, e, apesar de sua fala apresentar certa dificuldade, não se deprime e nem deixa de conversar. Um exemplo de superação e vivacidade, alguém cuja história merece ser contada. Foi operado durante 20 anos.

Durante 36 anos trabalhou em um hospital, ajudando pessoas. Ele se formou citologista no Instituto Brasileiro Contra o Câncer, no curso de Citologia na USP. Alguém com dificuldades auxiliando pessoas que, no momento do câncer, podem até ser mais necessitadas do que ele.

Depois de 36 anos realizando a nobre função, Luiz aposentou-se e foi se dedicar ao esporte. Encontrou uma nova paixão ao ser apresentado ao tênis de mesa, paixão que alimenta até os dias de hoje.

Aos poucos foi se desenvolvendo no esporte, atualmente é considerado um dos maiores no ranking para-olímpico brasileiro, além de ter uma boa posição no ranking mundial. Em 2011 até lançou seu próprio livro: ‘Meu lar, minha escola, minha vida.’

Com relação a planos futuros ele vê mais uma forma de ajudar: ‘ Meu futuro projeto é dar Palestras em todo o Brasil para as pessoas verem que por mais que a vida seja difícil nunca devemos desistir.’

Respeito, excelência, igualdade, determinação, coragem, inspiração, são valores olímpicos e para-olímpicos claros na história do senhor Luiz. Espero que ele continue lutando por uma vida melhor e também por um país: ‘ Tenho esperança que o Brasil melhore.’

Luiz com seu filho Igor .

Laís Vitória Cunha de Aguiar.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.