Solidão

Tenho 34 anos, comecei a namorar aos 17 e nunca mais parei. Posso dizer que nunca fiquei sozinho por um dia, já que eu terminei um casamento no mesmo dia em que eu comecei outro. Então, com números propícios para uma matemática simples, passei metade da minha vida casado. E claro, a metade que aqui importa.

E aí que quando você tem amor e carinho numa relação a dois, dividir é muito bacana. Eu não sei chegar em casa e não contar meu dia. E não sei me planejar quando não preciso incluir outras pessoas nos meus planos.

The worst part of holding the memories is not the pain. It is the loneliness of it. Memories need to be shared.
Lois Lowry.

E aí que a casa estava assim, vazia. Vazia de marido, que está viajando a trabalho. Vazia de filho, que está na casa da avó. Vazia de cachorro, que está na casa da minha irmã. Faz tempo, muito tempo, que não encontro a casa assim. Era pra ter sentido uma paz, aquele momento que todo mundo precisa pra fazer o que quer, mas eu devo ser relacionamento-dependente. Eu deveria ver aquele filme que quero ver faz tempo e não faz a cabeça do marido ou do filho, mas não tem. Eu deveria ter me jogado escondido num lugar cheio de comidas gostosas e me entupido de junk food sem culpa, mas acabei optando por aquela gororoba que só precisa de água, três minutos e um sachê. Quem consegue ser solitário e preguiçoso não merece mais que isso. Aí pensei que eu deveria ao menos ligar pra alguém e aproveitar a noite com um amigo, mas dedo sobe e desce na lista de contatos sem saber pra quem ligar.

Rola uma musiquinha, ao menos. E tem dois gatos fofos, uma cama queen size só pra mim e despertador desligado. Vou tentar ser feliz com isso.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.