Racionalizando (Ou lidando com a rejeição)

Esse sábado, eu descubro que uma amiga minha me bloqueia no Facebook. A princípio, eu acredito que seja porque um outro amigo(ou assim eu achava que ele era) me queimou com a menina por não aguentar uma brincadeira que eu(e outros meninos do mesmo círculo) faziam.

Eu acabei reagindo de forma exagerada e saí de todos os grupos que compartilhava com esse cara. Apesar de saber que foi exagero, não me arrependo, porque eu realmente não tinha a motivação para permanecer lá.

Horas mais tarde, eu descubro uma outra versão da história. Aparentemente, eu fui bloqueado porque “ela não aguentava meu jeito”, e que aparentemente, outras pessoas concordaram com isso.

Não importa qual versão seja a verdadeira, o fato de que eu fui rejeitado é algo que eu não sei lidar bem. Se eu pensar um pouco mais, eu descubro que há uma parcela de mentira — ou ao menos, exagero — na história que o cara inventou.

Me perguntaram, o que poderia ser feito para as coisas voltarem a ser como eram antes. E eu respondi que não tinha mais jeito porque o dano era irreversível. Eu remoí aquilo pelo resto do dia. Odeio me sentir punido sem entender onde eu erro.

Claro, eu poderia tocar o foda-se e seguir adiante. De fato, eu não devia estar postando nada disso. Mas como dizer isso a alguém que não esquece quando é sacaneado? Como me convencer de que no final, foi uma good riddance?

A menina que me bloqueou não é perfeita. Eu apenas era tolerante demais pra esfregar isso na cara das pessoas. Ao mesmo tempo, dizer isso me faz ser um mau perdedor. É fácil dizer que ela é mulher de malandro e que, apesar de ser feminista, ela realmente só está feliz quando se fode na mão de um homem. E que ela simplesmente não sabe lidar com gente que a trata bem?

Ao escrever esse post, parece que eu tive algum tipo de relacionamento, ou pior, que eu sou um recalcado porque nunca tive a chance. De um jeito ou de outro, vai ter gente encarando minha frustração de um jeito bem diferente.

Me pego pensando que gosto mais da versão do carinha pra treta… Porque se for verdade, é maluquice dela, e eu não deveria me preocupar. De um jeito ou de outro, me faz repensar no quanto eu confio nos amigos de internet. Tanto a menina quanto o amigo dela eram pessoas a quem chamava de amigos e valorizava sem sequer ter visto pessoalmente. Ela, inclusive estava na lista de agradecimentos do meu TCC (Eu devia ter postado aqui sobre como foi o processo inteiro e como eu acabei tirando 10 apesar de tudo, mas acabei sem sem vibe). Como eu vou ser forçado a corrigir o nome do trabalho, pois minha orientadora escreveu o nome dele errado no formulário de colação de grau, eu posso excluir ela dos agradecimentos da mesma forma que ela me excluiu da vida dela.

Se tem algo positivo nessa situação inteira, é ver que teve gente que me deu razão na coisa toda. Ou ao menos, ficou triste por me ver desistindo dos grupos. Não que fosse attwhorismo, mas é pra saber com quem ainda posso conversar.

O medo que eu tenho, é que eu comece a ficar cada vez mais impaciente com as pessoas e me isole ainda mais diante do menor sinal de rejeição. Eu vejo isso acontecendo e me pego sem forças para mudar.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Alexandre Amorim’s story.