A ZELITE DEVEM PROTESTAR SIM!

Agora fiquem ricos com o sangue do rei

Acho legal reparar a cabeça das pessoas nessa confusão da precoce emancipação político intelectiva do brasileiro.

Um dos mais crassos entendimentos, que agora está generalizado, é o erro tristemente comum de que quando um rico protesta, não é válido (algo como se ele não fosse digno de direitos políticos, e tal) ou então (pior ainda) é porque ele vem ~ODIANDO~ ver um pobre ficar menos pobre.

Errado.

O Brasil é famoso por possuir uma das elites mais sedentárias do mundo. Se tem rico protestando, é porque mexeram drasticamente no seu bolso!

E calma, isso não é bom.

O que ocorre a partir daí, é que as pessoas tendem a entender que se o rico está menos rico, em analogia à música daquele não tão saudoso grupo de axé, o pobre estaria, automaticamente, menos pobre.

Errado mais uma vez. O que acontece na maioria das vezes é justamente o contrario.

Espera-se que, ao derrubar a monarquia, a plebe passe a se alimentar como o rei, quando o único resultado é fazer com que o rei se alimente como a plebe: sigamos todos com fome.

Parafraseando a Dama de Ferro, o grande problema, é que o que importa para o coração flamejante das massas, principalmente as massas vermelhas, é que o “gap” esteja menor, ou seja, a distância entre ricos e pobres seja mais curta, não importando que estejam AMBOS na miséria. Um é miseravelmente pobre, e o outro, apenas pobre. A desigualdade entre ambos é bem pouca, mas estão ambos na merda. Mais ou menos, só que de forma menos trágica, como Machado de Assis sugere com a frase “ao vencedor as batatas”… (Se não souberem, pesquisem).

Para quem discursa assim, ainda que os pobres se tornem ricos, o grande trauma será a existência dos milionários, sacou?

Tem gente protestando por tudo, por MUITA patacoada também, claro (tem até os fetichistas militares), mas não tem UMA ALMA NESSE PAÍS revoltada porque ~a filha da empregada está na faculdade e a empregada está andando de avião~

Não existe na história deste planeta uma situação onde um governo tenha ferrado a elite, e o povo, em sua grande maioria, tenha se saído bem. O que aprendemos com a História que nosso professor de história não contou, é que elites são trocadas por novas elites. Apenas. A coroa só pula de uma cabeça pra outro. Não se iludam com qualquer ladainha que tente convencer do contrário: toda oligarquia opressora, até hoje, se existiu, é porque foi sustentada por um Estado que se valia de seus lucros. Quem torna o a elite mais elitosa, sinto dizer, é o Estado.

Parece cruel da minha parte, e muito pouco romântico, claro. Mas infelizmente, é assim que a coisa funciona por enquanto.

Cegos, vocês definitivamente estão lutando contra o inimigo errado. Essa síndrome de Estocolmo tem que acabar.

Há que se decidir o que é revolução eficaz e o que é somente uma inócua inveja.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Augusto Carminati’s story.