Se encontrasse

Quem falou?
O rumo dos sentidos que adormeceriam com o anoitecer
Sai dos eixos.
A linha torta estabelecida por sei lá quem
Convenceu.
Esse alguém, com certeza, nem nos ‘afina’.
Ainda assim, o poder de sua voz nos aprisiona.
Entrelaçados, nossos medos ainda a fortalecem.
Veja bem.

Numa nuvem cinzenta e fria que toma o espaço sem pedir licença 
O que resta aos odores que nos entorpecem há dias?
Apenas diluir.
De preferência, sem deixar rastros.
Mas como aqueles crimes, tão longe de ser perfeito…
Eficaz?
Há dúvidas.
Talvez usem raios de sol pra acalentar alguma ânsia que surgir,
Ou belas canções que inspiram liberdade
Talvez.
Pela fresta em que puder entrar
O solvente de fato atua
Sem dó, sem rancor, indolor.
Enfim,
Eficácia garantida.

Espaço pras flores, pras cores, pro movimento das ondas.
Enquanto o raso ainda satisfaz
Peço o profundo, o intenso
Poder repousar em largo leito
Após batalhas agressivas e desgastantes.
Falo. Guardo. Repinto…
Apago.

Novas mentiras e relatos tem seu lugar.
Por vir.
Que falem por si.

Like what you read? Give Beatriz de Andrade a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.