Estudantes americanos entrevistados acham o socialismo maravilhoso, mas se enrolam ao defini-lo

Alguns jovens representantes do movimento Campus Reform, um grupo de estudantes conservadores, decidiram sair às ruas de Washington D.C. e fazer uma pesquisa entre os estudantes para saber o que eles acham sobre o socialismo.

No ano passado, uma pesquisa mostrou que 53% das pessoas abaixo dos 35 anos não estavam contentes com os rumos da economia americana e achavam que o socialismo seria bom para o país.

O fenômeno pôde ser percebido na última eleição presidencial americana, quando o candidato Bernie Sanders, declaradamente socialista, ficou entre os front runners na disputa final para a nomeação do candidato do Partido Democrata. Sanders não conseguiu a nomeação para disputar a eleição geral (contra o candidato do Partido Republicano), o que foi inclusive objeto de especulações quanto ao possível arranjo para que tudo fosse a favor de Hillary Clinton.

Todavia, uma coisa é clara: o socialismo ganha simpatia nos jovens americanos, especialmente na maioria das universidades, onde a pauta progressista domina todo o programa de ensino.

Perguntada se gostava do socialismo, uma estudante disse:

“Eu acho que as pessoas jogam essa palavra para tentar te assustar, mas se ajudar as pessoas é o socialismo, então eu apoio”.

A mesma estudante foi perguntada sobre a definição de socialismo, ao que respondeu:

“Para ser honesta, eu não sei exatamente.”

Outro estudante também vacilou ao tentar definir o socialismo, respondendo que “eu acho apenas que, você sabe, acabando com a diferença entre ricos e pobres nos Estados Unidos?”

Outro defendeu o socialismo com mais emoção:

“É mais como uma forma aberta de governo e isso parece muito mais acessível para muito mais pessoas.”

Mas, na hora de defini-lo, arrematou:

“Para ser bastante sincero, eu não sei.”

Assista: