Mulheres rodeadas de seguranças armados marcham a favor do desarmamento nos EUA

Mulheres representantes do movimento Women’s March saíram nas ruas para protestar contra o direito estampado na segunda emenda da constituição americana: o direito de civis portarem armas.

O movimento, que aconteceu na última sexta-feira, também teve forte mensagem contra o National Rifle Association, uma das principais instituições americanas que lutam para que a segunda emenda seja preservada.

Foto: Breitbart

Todavia, a pauta defendida pelo protesto não condisse exatamente com a proteção que as manifestantes tinham durante ele. Estavam rodeadas de seguranças armados, conforme reportou a apresentadora de um programa do National Rifle Association, Cameron Gray:

“Isso é fraude, @NRATV @rangerholton já mostraram Tamika Mallory entrando num carro rodeada de guardas armados.”

Ainda sobre o evento, o TownHall descortinou a mesma contradição, escrevendo que:

“Agitadores esquerdistas como Linda Sarsour e Shannon Watts contratando proteção armada e exigindo que o resto de nós entreguemos nossas armas aos burocratas do governo não é nenhuma novidade. Watts faz o mesmo toda vez que ela aparece para protestar na reunião anual da NRA. O ex-prefeito da cidade de Nova York, Michael Bloomberg, que paga milhões de dólares para tirar os direitos da Segunda Emenda dos americanos todos os dias, não vai a lugar algum sem seus seguranças.”

AWR Hawkins, jornalista do Breitbart e especialista em temas relacionados à segunda emenda, criticou severamente a hipocrisia do movimento, dizendo que:

“Em tal cenário, a esquerda poderia continuar a ir e a vir na sociedade sob a constante proteção de guardas armados, ao mesmo tempo em que argumenta — e até protesta— pelo desarmamento do homem comum.”

Em 28 de abril deste ano o presidente Donald Trump fez um discurso histórico no fórum de liderança do National Rifle Association, em Atlanta (GA). Num ponto de sua fala ele disse: “Os oito anos de ameaça contra a sua liberdade da Segunda Emenda estão indo para um desastroso final.”

Ele é apenas o segundo presidente a fazer isso, seguindo Ronald Reagan. Na mensagem, o presidente garantiu que a segunda emenda não sofrerá nenhum arranhão; pelo contrário, será defendida vigorosamente.