Violenta reação dos manifestantes a aprovação da PEC 55

Após a já esperada vitória no senado da PEC 55/2016, estudantes e movimentos sociais de esquerda tomam as ruas para realizar o que sabem fazer de melhor: Destruir.

Ontem — dia 13/12 — às 13h a PEC 55/2016 foi aprovada, assim como já era de se esperar. A contrariedade a essa proposta era a principal bandeira dos invasores que tomaram conta de diversas escolas e faculdades pelo país

Assim que a emenda à constituição foi aprovada, os invasores decidiram mais uma vez se travestir de terroristas e ir às ruas em algumas capitais para cumprir suas cotas semanais de depredação.

Em protestos pequenos — com o maior deles sendo o de Brasília com 2Mil pessoas e 2Mil policiais segundo Folha e Estadão — os modestos grupos não pouparam esforços em suas ações.

Em Brasília os invasores saíram de suas ocupações e realizaram diversos ataques: Derrubaram e incineraram um ônibus; destruíram equipamentos públicos; interditaram ruas e, segundo o estadão, atacaram uma concessionária de carros danificando 16 veículos. Em declaração, o diretor geral da concessionária Orlando Arrifano afirmou: “De repente, vieram em nossa direção. Era cerca de 150 e começaram a jogar pedras e a subir nos carros. Você fica acuado, não tem política, não tem nada. Só conseguiram prender cinco”.

Foto: Pedro Ladeira / Folhapress

Já São Paulo, tiveram como principal alvo o tradicional prédio da FIESP, se utilizando de pedras e rojões para quebrar vidraças e atacar o portão.

Foto: Eduardo Anizelli / Folhapress
Foto: Fabio Vieira / Rua / Estadão

Ainda em São Paulo, os participantes atearam fogo em lixeiras e formaram barricadas para impedir a passagem de pessoas na Paulista.

Mais uma vez, os participantes dessas manifestações e os invasores colegiais provam que não são pacíficos e nem a favor do diálogo. Constatações essa que já foram previamente provadas com o vandalismo ocorrido dentro das escolas atacadas e com o assassinato de um ocupante de 16 anos por outro, ocorrido dia 24/10 em Curitiba.

Outras capitais relataram a mesma situação de vandalismo, sendo que em Recife, os protestos terminaram com 52 detidos no total.

Victor Lara