Por que comemos embaixo da escada?

Uma marmitinha glamurosa, servida em um casamento chiquérrimo para os fotógrafos, cinegrafistas e músicos. (Foto: Danilo Siqueira)

Dias atrás, no final da festa, os noivos se aproximaram de nós e perguntaram se havíamos comido bem no casamento. Respondemos que sim e, de fato, havíamos comido muito bem. Até pudemos repetir o jantar. Eles então perguntaram se estava tudo certo com a mesa que haviam reservado para nós, se conseguimos comer confortavelmente.

Estávamos absurdamente felizes por, não só termos tido tempo para comer, como também, termos uma mesa reservada para que pudéssemos comer com calma e ter uns minutinhos para sentar. Não é muito comum mas, ao mesmo tempo, também não é tão raro termos este pequeno mimo por parte dos nossos noivos, que são pessoas maravilhosas e se preocupam muito conosco. Mas este casal demonstrava uma preocupação extra com a questão da mesa, e ficamos curiosos para entender o porquê disso. Eles explicaram:

Desde o início, era muito importante para nós que vocês tivessem um tempo para descansar, e que pudessem comer como todos os nossos convidados. No contrato, vimos que vocês ficariam, pelo menos, 10 horas conosco, e ninguém é capaz de trabalhar 10 horas sem comer e sem se sentar, ao menos, por alguns minutos.
Quando comentamos com a nossa cerimonialista que, no mapa de mesas, queríamos reservar uma para os fotógrafos e cinegrafistas, ela riu e disse que isso era “totalmente desnecessário. Fotógrafos e cinegrafistas podem comer ali embaixo da escada. Eles não se incomodam.”
Ficamos profundamente decepcionados com a postura de desrespeito da cerimonialista, e este foi um dos principais motivos pelo qual cancelamos o contrato com ela. Escolhemos outra empresa e ficamos surpresos ao ouvir o exato mesmo comentário da nova cerimonialista. Percebemos que parecia ser algo que já fazia parte da cultura do casamento. Até hoje, não tínhamos certeza de que ela iria reservar a mesa para vocês. Ela reclamou disso várias vezes. Disse que era desperdício de espaço.

Voltamos para casa tentando entender por que o fato de sentarmos em uma mesa no cantinho da festa era tão incômodo para as organizadoras do casamento. De fato, é algo que parece já fazer parte da cultura do casamento. Termos uma mesa é uma exceção. Para podermos comer, precisa estar em contrato e, de uns tempos para cá, precisa estar em contrato que vamos comer a mesma comida dos convidados. Caso contrário, estamos sujeito a passar 10 horas de fome ou nos contentarmos com 5cm de um pão de metro. Na nossa curta carreira, colecionamos algumas pérolas bacanas na hora da comida (com a contribuição de alguns amigos):

“Se for se servir no buffet, seja discreto, para que os convidados não fiquem constrangidos.”
“Infelizmente, não tem cadeira, mas vocês podem sentar ali no chão.”
“Você é vegetariano? Come uma saladinha.”
“Come ali que tá mais escurinho, porque fica chato os convidados verem que vocês estão comendo no prato descartável.”
“A gente só pode disponibilizar um prato pra vocês” (de um menu de degustação de 7 pratos) — ou seja, comemos 2 raviólis.
“O nosso buffet é muito caro. Por isso, trouxemos uma marmitinha pra vocês”. (com um pf de um bar próximo ao local do casamento)
“O buffet que eu contratei é muito caro, mas vai ter um arroz com frango lá pra vocês comerem.”
“Os noivos não contrataram alimentação pra vocês. Mas vocês podem pedir uma pizza.”
“Vocês tem que andar sempre com barrinhas de cereal na mochila pra garantir que não vão ficar com fome no casamento.”
“Comida para fornecedores só no final da festa, se sobrar”
(você pode contribuir com esta lista deixando a sua frase nos comentários)

Lendo assim, nessa bela coletânea, é de rolar de rir, mas só quem já passou por isso sabe o quanto cada uma dessas frases parece um soco na cara quando você está lá, há horas trabalhando em pé, cansado e com fome. Isso pra não comentar às vezes em que se negam a nos oferecer água na frente dos convidados. “Água pra quem tá trabalhando é só lá nos fundos.” E, comicamente, “lá nos fundos” é um lugar onde a gente nunca pode entrar, para não “atrapalhar o trabalho do buffet”.

Mas por que somos tratados desse jeito?

Na verdade, a “cultura do casamento” que o nosso noivo descobriu se replica na indústria dos eventos sociais e também no setor de serviços, de uma forma geral. Obviamente, não estamos generalizando aqui mas, o que acontece hoje é reflexo dessa “cultura”.

No Brasil, existe uma clara ideia de separação hierárquica entre contratantes e contratados. Aquele que presta o serviço está em um patamar inferior daquele que contrata. Imagine, por exemplo, um técnico de telefonia ou de ar condicionado que vai até a sua casa. Como clientes, exigimos que o serviço seja bem-feito e que o prestador do serviço seja educado e profissional mas, ao mesmo tempo, quantos de nós oferecem um copo de água, um café, perguntam se o técnico gostaria de usar o banheiro ou se podemos fazer algo para facilitar o trabalho? Pois é, eles são prestadores de serviço tanto quanto nós, e instalar um ar condicionado é, para eles, o que filmar, fotografar, assessorar ou decorar um casamento é para nós.

Culturalmente, parece que, ao contratarmos um serviço, anulamos a pessoa, e estamos ali apenas diante de algum tipo de robô, cuja única função é satisfazer uma determinada necessidade nossa.

Da mesma forma, para alguns noivos (e substitua noivos por qualquer que seja o seu cliente — a relação é a mesma), somos apenas robôs simpáticos (ou não) cuja única função é registrar o casamento. Exatamente como o rapaz do ar condicionado, não passa pela cabeça deles que nós possamos sentir fome, sede, cansaço ou mesmo dor enquanto desempenhamos a nossa função. E não é exatamente uma questão de falta de educação ou de consideração. É apenas algo profundamente enraizado na nossa cultura, do qual, muitas vezes, não nos damos conta. Em uma das nossas primeiras reuniões com um casal, conversando sobre o dia do casamento, a noiva se surpreendeu: “Mas vocês comem no casamento? Ah é, 10 horas é muito tempo pra ficar sem comer nada, né?”

Apesar do caráter “artístico” do nosso trabalho, ele é, quase sempre, associado a um trabalho braçal, que não exige grandes qualificações para ser realizado, ainda que nós saibamos que, para ser um bom profissional da imagem, é necessário muito estudo. Infelizmente, aqui no Brasil, qualquer profissão que não dependa diretamente de títulos universitários é, automaticamente, menosprezada, e isso faz com que, ao sermos fotógrafos, cinegrafistas, garçons, assessores, faxineiros, seguranças, cozinheiros ou qualquer outro tipo de prestadores de serviço em um casamento, estejamos, aos olhos dos outros, em um nível inferior ao dos demais seres humanos presentes no evento.

Por isso, na cabeça da assessora/cerimonialista, os convidados de um casamento luxuoso se sentem constrangidos ao ver esses seres inferiores se servindo da mesma comida que eles, sentando em mesas num mesmo ambiente, utilizando o mesmo tipo de pratos, talheres e guardanapos que eles. Ainda que, provavelmente, a maior parte dos convidados não dê a mínima para o que, quando, onde e de que modo estamos comendo, a “cultura do casamento” determina que a gente deve comer escondido.

Na cabeça do responsável pelo buffet, não somos dignos de comer a mesma comida cara que será servida aos convidados. Por isso, mesmo sendo pagos para nos fornecer a mesma alimentação, eles se negam, e aproveitam para embolsar um dinheirinho extra dos noivos, servindo uma marmitinha, umas coxinhas, um sanduíche de metro ou, simplesmente, nos deixando sem comer, ainda que, com frequência, nós vejamos quilos de comida sendo jogados no lixo ao final da festa. Na cabeça deles, não faz sentido sujar louça conosco. Por isso, nos dão um prato descartável mas, pedem pra gente comer escondido embaixo da escada. Assim, ninguém precisa ficar constrangido por ter pessoas comendo em pratos descartáveis no mesmo ambiente que os convidados. E eu fico imaginando o quanto isso deve ser pior porta adentro. Como devem ser tratados aqueles que ninguém vê, que ficam no backstage do evento? Será que comem? Será que podem tomar água? Será que tem direito a 15 minutos de descanso?

Em países com maior nível educacional, essa ideia de serviçal não existe. Entende-se que todas as funções são vitais para o funcionamento da sociedade, do gari ao médico, e todas elas tem seu valor. Cada cidadão tem seu papel, e as pessoas entendem que, em alguns momentos são clientes e, em outros, são prestadores de serviços. Acima disso, se enxergam como seres humanos desempenhando uma determinada função, realizando um trabalho.

Quando estivemos na Dinamarca, ficamos maravilhados com a forma como as pessoas se relacionam. Fomos até lá para filmar um casamento que aconteceria em um dos hotéis mais chiques da cidade. Chegando lá, mesmo sendo “os filmadores”, o mensageiro do hotel se ofereceu para nos ajudar a carregar o equipamento, ao passo que o noivo, que vinha junto conosco, se recusou a entregar a mala ao mensageiro, dizendo que não havia motivo para que o funcionário carregasse uma única mala tão leve, ainda que ele fosse um hóspede especial. No mesmo casamento, os noivos reservaram lugares colocando plaquinhas com os nossos nomes, e nos colocaram em uma mesa na qual boa parte dos convidados falava português para que, caso não soubéssemos falar inglês, não nos sentíssemos excluídos da conversa no almoço. Ao final, os próprios noivos se ofereceram para nos levar de volta ao nosso hotel.

É essa preocupação com o ser humano que faz toda a diferença nas relações. Aqui, mesmo nos hotéis mais caros do país, é raro um mensageiro que sequer segure a porta para entrarmos. Os manobristas, normalmente, abrem a porta do carro mas, ao nos reconhecerem como “fotógrafos”, viram as costas. As moças do buffet costumam nos servir com a cara fechada. Muitas assessoras torcem o nariz quando fazemos qualquer tipo de pedido, como se fôssemos algum tipo de problema a ser resolvido. Ninguém enxerga o outro como um ser humano que está ali realizando um determinado trabalho, exatamente como ele. Falta empatia de todos os lados. E é daí que vem todas essas situações bizarras que a gente presencia nos casamentos. Estamos todos ali prestando um serviço. E nossos serviços fazem parte de um mesmo evento. Trabalhamos todos para um mesmo fim.

E como eu faço pra não comer embaixo da escada?

No fim das contas, a cultura do serviçal não vai mudar tão cedo. Algumas pessoas vão continuar não querendo que a gente coma a comida dos convidados, algumas assessoras vão continuar não querendo que a gente sente na mesa, alguns noivos vão continuar querendo que a gente coma o pão de metro para eles economizarem o valor do nosso jantar. E, nem sempre vai adiantar apelar para o contrato — que, infelizmente, hoje precisa dizer que os noivos são responsáveis por garantir alimentação (e, se você quiser, a mesma dos convidados). Por mais que exista a cláusula, não dá pra simplesmente chegar na mesa dos noivos e reclamar da comida no meio do casamento. Às vezes, temos que pedir pizza mesmo e fingir que está tudo bem. Mas lembre-se disso quando o buffet pedir aquelas fotinhos/aquele vídeo para divulgação (vingança, muahaha — brincadeira).

De uma forma geral, a assessora é a coordenadora do evento. Em caso de problemas com o buffet, é pra ela que você tem que mostrar o contrato e exigir que se cumpra o combinado. Se ela for o problema, você pode conversar direto com o buffet, mas, às vezes, é melhor deixar pra lá e não criar caso na hora. Com alguns casais, você pode conversar depois e explicar a situação, mas é preciso uma dose de bom senso pra saber como abordar cada caso. É importante relatar porque, como eu disse agora há pouco, tem muito buffet que cobra dos noivos pra servir o nosso jantar mas, simplesmente não serve e embolsa o dinheiro. Nesse caso, é direito do casal receber o dinheiro de volta (e reembolsar o seu jantar) ou mesmo processar o buffet. Se o problema foi a assessora, é bom informá-los para tirá-la da lista de indicações. Se o problema foram os próprios noivos e você tem essa cláusula em contrato, pode cobrar o reembolso da alimentação depois do casamento.

Sobre o local pra comer, a gente começou falando da escada mas, pelo menos pra gente, o lugar não importa muito. Obviamente, no escuro sentados no chão não é a nossa opção preferida mas, não exigimos mesa, até porque tem muito salão que, realmente, não tem espaço para mais uma mesa. O que a gente faz questão é que haja comida, e que seja a mesma servida aos convidados. Pode parecer frescura mas, a verdade é que ficamos traumatizados após comer um arroz e um osso “especialmente preparados para nós” em um dos buffets mais caros de São Paulo e também depois de termos que dividir a duras penas um sanduíche de metro com outras 12 pessoas (pra você que não tem muita noção do que isso significa, dá, aproximadamente, uma fatia e uma mordida pra cada um dos que estavam há horas ali trabalhando). Isso porque a gente come qualquer coisa. Nossos amigos vegetarianos costumam sofrer muito nos casamentos, quando servem só alface ou só três raviólis ou pedem pra eles trazerem uma “comidinha de casa”.

No fim das contas, o que a gente precisa é deixar assegurado de alguma forma os nossos direitos no dia do casamento, e reforçar isso sempre que possível, para que ninguém esqueça. Vale até mandar um lembrete pra assessora na semana do casamento, se for o caso. Se você faz questão de mesa, peça a mesa. Quanto mais a gente se posiciona em relação a isso, mais se torna natural para o buffet, a assessora e os noivos que a gente precisa comer, precisa de um cantinho pra guardar as coisas, precisa tomar água. Quando todo mundo exigir isso, vai se tornar o padrão do mercado.

A segunda coisa e, talvez a mais importante, é que nós precisamos mudar a nossa forma de enxergar os prestadores de serviço. Precisamos tratar o mecânico, o carteiro, o porteiro, a cabeleireira e o motorista de ônibus com o mesmo respeito com que gostamos de ser tratados quando estamos trabalhando. Essa mudança de mentalidade partindo de nós vai se refletir no tratamento que vamos receber no futuro. Como prestadores de serviço que se sentem desrespeitados, é nossa função liderar essa mudança. Somos todos iguais, e o fato de estarmos ali prestando um serviço não nos diminui nem por um segundo sequer, assim como também não diminui nenhum prestador de serviço de nenhuma área.

E como a gente mesmo percebe, quando somos bem tratados, trabalhamos muito mais felizes e damos o melhor de nós para os clientes. Quando tratamos bem aqueles que prestam um serviço para nós, eles trabalham muito mais felizes e dão o melhor de si para nós. Assim, a qualidade dos serviços prestados só tem a melhorar e nós só temos muito mais respeito a ganhar.

Vamos praticar?