# Sobre sonhos realizados

Nada como ter seus sonhos realizados, não é mesmo?

Sonhos sempre têm sua importância, independente do que se tornaram. Sonhados, planejados, frustrados, esquecidos, roubados. REALIZADOS.

Grandes sonhos, para se tornarem realidade, requerem energia, dedicação, renúncias, força e mais um monte de outros ingredientes determinantes. Mas os pequenos também.

E hoje eu quero falar deles.

Pequenos sonhos podem não mover o mundo nem mudar a vida das pessoas, mas eles te dão energia o suficiente para seguir em frente.

Às vezes ficamos tão focados no que é grande, que esquecemos da relevância dos pequenos.

Já parou para pensar que talvez você tenha realizado muitos destes pequenos sonhos sem perceber, enquanto está tão focado na frustração de não ter alcançado o “BIG DREAM”?

Sonhos podem ter qualquer esfera. Você pode querer dominar o mundo ou só um carro novo. E sonho pode ser para sempre ou apenas momentâneo, como querer apenas emagrecer aqueles quilinhos acumulados nos últimos tempos.

E quem decide o tamanho e a importância deles é você e mais ninguém.

Já dizia Renato Russo: “nunca deixe que lhe digam que não vale a pena acreditar no sonho que se tem. Ou que seus planos nunca vão dar certo, ou que você nunca vai ser alguém.”

Hoje eu quero deixar registrado o gostinho de um sonho realizado.

A sensação inexplicável de um pequeno sonho, que não é minha meta de vida, tampouco algo em que eu pensava todo dia, mas que volta e meia passeava ao meu redor, como um beija-flor que passa beber sua água e logo vai embora.

Por mais que eu tente, não sei identificar qual o momento específico em que ele se tornou realidade.

Porque sonho grande fica marcado sempre pelo momento exato da realização: passar no vestibular, conseguir um emprego, comprar um carro, assinar um contrato, ganhar o primeiro beijo.

Mas sonho pequeno chega mesmo devagarzinho, sem muito alarde e nem muita comemoração. Ele se adentra no seu dia a dia em silêncio e te dá uma sensação boa, mas muitas vezes, inexplicável.

DAR UMA RISADA VERDADEIRA DO FUNDO DA ALMA, aquela que você chegou a achar que não daria novamente.

APRECIAR O FIM DE TARDE no meio da selva de pedras e se sentir em paz mesmo em meio ao caos.

TORNAR-SE O QUE VOCÊ HÁ MUITO TEMPO quis ser.

E só perceber que um dia você sonhou com isso quando a realidade estiver bem na sua frente. É como o despertar da consciência ao perceber que aquilo que se vive hoje nada mais é do que aquele sonho de outrora. PEQUENO. ESQUECIDO. SIMPLÓRIO, mas NUNCA EM VÃO.

E aí perceber que os grandes sonhos te movem, mas os pequenos… Ah, como eles são essenciais.

Pequenos sonhos dificilmente vão mudar sua vida para sempre (ou não). Mas aqui vale o clichê de que “tamanho não é documento”.

Porque, afinal, pequeno pode ser o contrário grande, mas também pode ser sinônimo de grandioso. ❤

Ana Vilela — Trem Bala