Gotas na lente

Era uma sexta-feira, chovia muito, eu incrivelmente não sentia frio, eu estava com uma blusa de manga longa, mas eu sempre usei blusas de manga longa até o meu anti braço, eu não sei porque. Eu estava conversando com ela no celular, a chuva preenchia meu celular de gotas, eu ficava limpando constantemente, o meu óculos também, sempre que eu olhava pra frente, gotas caiam na minha lente, eu não estava com nada pra limpar a lente, então eu deixei como estava, eu não via nada, só as gotas escorrendo pela lente. Eu estava ouvindo The smiths, começou a tocar - there is a light that never goes out- o começo dessa musica me da um frio na barriga. Meu celular vibrou, era uma mensagem dela, eu tentava ler, eu não conseguia direito, tinha muitas gotas na minha lente, a chuva engrossou, eu passei a blusa no meu óculos, piorou a situação, mas agora eu conseguia ler, no instante, mas gotas pingaram na minha lente, eu bloqueei o celular, a musica tava chegando no refrão, o frio na barriga continuou, minha respiração ficou ofegante, do nada, eu não ouvia mais a musica, eu só conseguia ouvir os carros passando e jogando agua para os lados, eu só conseguia ver o reflexo dos faróis nas gotas na minha lente, minha garganta estava seca, eu parei, por um momento eu nem lembrava que tava na chuva, é quanto mais devagar eu andava, mais eu me encharcava, eu peguei o celular, minutos depois, eu a respondi, eu nem lembro o que certamente. Eu estava atordoado, eu julguei aquele momento como perturbador, eu senti milhões de coisas, em segundos. É, eu não devia ter enxugado as gotas na minha lente.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.