Como tornar-se um executivo eficaz — Parte 1: Que resultados são necessários?

*Peter Drucker

Cinco maneiras para melhor utilizar a capacidade e a experiência

“Com toda a sua capacidade e experiência, porque meu chefe nunca chega ao fim das coisas?”, perguntou-se um jovem engenheiro. Ele teria ficado muito surpreso se ouvisse o chefe fazendo a mesma pergunta, horas antes.

Não são raros os homens capazes, experientes e trabalhadores que fracassam em obter resultados. Isto é um desperdício desnecessário. A eficácia não é inata, como o dom para a música. Os executivos não nascem eficazes; tornam-se.

A eficácia é 90% um sistema, composto principalmente pela concentração em cinco pontos essenciais:

- Executar bem poucas atividades;

- Eliminar o obsoleto;

- Saber como utilizar o tempo;

- Evitar decisões improdutivas;

- Testar ideias.

QUE RESULTADOS SÃO NECESSÁRIOS?

“Eu sou tão ocupado que não consigo concluir nenhum trabalho”, é um comentário comum à mesa de almoço. Não se trata de um desabafo; é a situação típica de um executivo ineficaz. Como consequência, quanto mais ele faz, menos consegue produzir.

Concentrar-se em poucas atividades e fazê-las bem é a primeira regra para a eficácia. A maioria das pessoas pode, no máximo, fazer bem uma coisa de cada vez. Ainda assim, a maioria das pessoas, na maioria das vezes, tenta fazer várias coisas.

Para ser eficaz deve-se, portanto, primeiro estabelecer prioridades: Quais são as duas, três ou quatro contribuições que eu tenho a dar? Quais são as poucas que, ‘se bem-feitas, realmente farão diferença no desempenho do meu departamento ou da minha companhia? Quais são as várias contribuições que realmente não farão diferença alguma, não importa quão bem-feitas? Não fazer estas últimas — não importa o quanto pareçam urgentes — eis a segredo de todo executivo eficaz.

Para definir estas tarefas prioritárias, um gerente começa com a pergunta: Quais os resultados que nós precisamos?

Ele não começa pela preocupação com o trabalho necessário ou pelas habilidades a ele inerentes. Ele se pergunta repetidamente: O que o negócio exige de mim ou da minha unidade? O que meu gerente requer de mim para que os seus resultados sejam obtidos? Em outras palavras, “para onde queremos ir?” é sempre anterior a “como chegaremos lá?”.

Esta abordagem faz muito mais do que realçar as áreas prioritárias. Ela produz um outro requisito para a eficácia do executivo: comunicações no trabalho entre um gerente e seu superior. Em vez de se preocupar com o que esperar do superior hierárquico, o gerente eficaz se preocupa com o que o superior deveria esperar dele e da sua unidade. Isto, quase que por si só, conduz a realizar eficazmente as tarefas devidas, que serão bem compreendidas, sem terem sido “vendidas” e que farão sentido para as pessoas que têm que utilizar os resultados.

A ênfase nas prioridades aplica-se não apenas ao trabalho que um executivo faz isoladamente; aplica-se igualmente ao trabalho do seu departamento ou do seu negócio. Os gerentes eficazes concentram o trabalho de seu departamento num pequeno número de tarefas importantes. Eles sabem que em negócios, como em tudo na vida, um pequeno número de acontecimentos é responsável pela maioria dos resultados. Numa linha de produção de 1.000 itens, geralmente 10 produzem 3/4 das vendas; um pequeno número de clientes, entre milhares, geralmente é responsável pelo grosso dos pedidos; poucos trabalhadores causam o grosso dos acidentes, do absenteísmo, das reclamações.

Uma política eficaz de produto enfatiza, portanto, os poucos produtos que trarão os melhores negócios. Uma política eficaz de vendas dá atenção aos poucos clientes que serão responsáveis pela maioria dos pedidos. Uma política eficaz de pessoal isola e trata os poucos focos reais de problemas. Isto se aplica com força até maior aos produtos que gerarão as vendas e lucros futuros, ou às políticas voltadas para as oportunidades e os problemas de amanhã.

*Este texto faz parte do artigo ‘Como tornar-se um executivo eficaz’ de Peter Drucker, considerado um dos papas da Administração moderno. Acompanhe aqui no canal do CRA-RJ os outros itens deste artigo nas próximas semanas. Ou acesse http://www.cra-rj.adm.br/biblioteca-virtual/textos-classicos/ para conhecer o conteúdo completo do artigo.
One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.