Equipes interfuncionais: controle mais eficaz de custos — Parte 1

Rensis Likert*

Quando ocorre uma grave crise de recessão, virtualmente todas as organizações veem-se frente à necessidade de reduzir custos. Com raras exceções, elas recorrem aos métodos mais conhecidos de redução de custos.

Tais métodos geram economia mediante providências que abalam seriamente a capacidade produtiva do sistema humano da organização. Ordens no sentido de reduzir arbitrariamente pessoal e verbas em percentuais específicos geralmente criam ressentimentos nas chefias de níveis intermediários e inferiores, bem como nos próprios operários. Os empregados sentem-se marginalizados e desgostosos. Os mais competentes encontram um outro emprego e deixam a companhia, as relações no trabalho pioram, a restrição da produção alastra-se mais ainda e deterioram a reputação da firma como empregadora e sua habilidade para recrutar pessoal capaz.
Com esses métodos a empresa poderá conseguir certa contenção imediata de custos a curto prazo, mas uma vez que seu sistema humano torna-se mais debilitado e menos eficiente, a capacidade da empresa para competir com êxito no mercado é prejudicada. Os efeitos negativos a longo prazo são substanciais, e, frequentemente, maiores do que a economia realizada a curto prazo.
De que forma poderá uma empresa conter custos, de imediato, sem passar pelos consideráveis efeitos adversos a longo prazo? Isto pode ser alcançado reduzindo-se substancialmente os custos e ineficiências que estejam relacionados com a utilização que a empresa faça da departamentalização e da especialização.

Grande parte do pessoal nas organizações está consciente desses custos e ineficiências, mas a direção superior tem passado a aceitá-los como consequências inevitáveis do estilo segundo o qual essa direção acha que deve administrar. É impossível para uma empresa prescindir de departamentalização e de especialização; contudo, tais procedimentos podem assumir formas que reduzam drasticamente os custos desperdiçados que geralmente estão associados a eles.

Este texto faz parte do artigo ‘Equipes interfuncionais: controle mais eficaz de custos’, de Rensis Likert. O artigo é dividido em três partes. Acompanhe as mídias sociais do Conselho para conhecê-los ou acesse a Biblioteca Virtual do CRA-RJ. Lá está o conteúdo completo do artigo, além de outras obras clássicas e materiais que envolvem a Ciência da Administração.

http://www.cra-rj.adm.br/biblioteca-virtual/textos-classicos/

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.