O futuro da Lava Jato

*Adm. Wagner Siqueira

Diz o velho ditado que a única certeza na vida é a morte. Não sabemos quando ela vai chegar, mas é plena a convicção de que, mais cedo ou mais tarde, ela baterá a nossa porta. Infelizmente, para o ministro do Supremo Tribunal Federal Teori Zavascki o fim da vida chegou após um acidente aéreo, pegando o Brasil de surpresa.

A trágica morte do relator da maior operação de combate à corrupção do país, a Lava Jato, comoveu todo o país. Teori conduzia etapas importantes do processo e era ele que iria, no início de fevereiro, homologar as delações premiadas de 77 executivos da Odebrecht.

Após a fatídica morte de Teori, o futuro da Lava Jato ainda é incerto. Entretanto, a vida continua e a maior operação da história desse país precisa seguir adiante com a mesma isonomia, profissionalismo e credibilidade adotados pelo falecido magistrado. Por isso, o Conselho Federal de Administração (CFA) defende que as delações em questão sejam homologadas o mais rápido possível pela atual presidente do STF, ministra Cármen Lúcia.

Com relação à substituição da relatoria da Lava Jato, entendemos que a escolha deve acontecer em acordo de plenário da corte, excluindo-se a possibilidade da redistribuição do processo por meio da realização de sorteio. Entregar o destino de uma operação com tamanha magnitude à sorte é imprudente, podendo custar caro para o Brasil.

Quais rumos a operação vai tomar ainda não sabemos, mas demanda o STF sensatez e assertividade nas decisões. Não podemos permitir que o clima de incerteza paire sobre o Brasil e, quanto antes a corte maior deste país se posicionar com relação ao destino da Lava Jato, melhor para o futuro de uma nação cansada de tanta impunidade.

*Adm. Wagner Siqueira é presidente do Conselho Federal de Administração e conselheiro federal pelo Rio de Janeiro

Show your support

Clapping shows how much you appreciated CRA-RJ’s story.