Photo by al ghazali on Unsplash.

Como construir o seu primeiro portfolio

Recentemente, fui convidado pelo professor Feliciano Neto a conversar com as turmas de Design Gráfico da Faculdade Estácio de Sá sobre como preparar um portfolio para o mercado. Após esse episódio vi que as dúvidas eram muitas e decidi escrever esse texto para compartilhar isso com quem é de direito. Então, vamos lá.

1. Quem precisa de um portfolio?

Praticamente todo profissional da área criativa (ou outras áreas até) precisa demonstrar para o seu mercado o que ele é capaz de fazer e a principal forma de alcançar esse feito é reunir todas essas possibilidades em um único lugar. Costumamos chamar esse pack de possibilidades de portfolio.

2. Por que eu deveria ter um portfolio?

Pouca gente para para pensar nisso, mas nós designers trabalhamos com a solução de problemas. Se engana quem pensa que nossa função é fazer coisas bonitas apenas. Se aquele resultado é bonitinho mas o problema continua presente, não serviu de muita coisa. O portfolio é a nossa cartada para demonstrar aos interessados quais os problemas que já conseguimos resolver. Então ter um leque de possibilidades para apresentar pode ser o caminho para abrir portas.

Juntamente com esse pensamento, esse portfolio poderá ter alguns outros objetivos. Vamos a eles.

Entrar no mercado:

Lá está você, finalizando a faculdade e doido pra conseguir sua primeira vaga no mundo real.

Disputar uma vaga:

Parece a mesma coisa que entrar no mercado, mas as vezes precisamos preparar tudo para concorrer a AQUELA VAGA. Isso pode ocorrer em vários momentos da sua carreira e pode inclusive ser uma jogada para mudar de ramo de atuação, como por exemplo, migrar de design gráfico para ilustração apenas. Então você passaria a ter um novo portfolio pronto para o mercado de ilustração.

Promover-se:

Essa é aquela variação com gatilhos comerciais. Além de promover seus serviços, você tem que ter o cuidado de preparar seu portfolio para alguém que talvez não seja um Diretor de Criação de uma agência e sim o cliente final, Sr. Raimundo, dono de um mercadinho de bairro e que tem que entender o que aquilo tudo que você faz significa e caso ele decida, saiba como entrar em contato com você.

Tornar-se referência:

Essa opção é um pouco mais rara, mas existe. E as vezes está vinculada à alguma forma de monetização. Você está lá procurando aquela família tipográfica nova para aquele projeto e quando vê, está na página do designer que criou a fonte com o cartão de crédito na mão para compra-la.

3. Pense primeiro no conteúdo

Esse primeiro passo vai servir para você decidir como construir o portfolio, qual plataforma usar, se vai ser tudo em uma página só, ou separado por projetos. Você trabalha com vídeos? Projetos web? Aplicativos? Como vai mostrar esse aplicativo? Apenas imagens, ou vai ter um vídeo mostrando as interações. Construa esse raciocínio antes de decidir.

4. Escreva antes de desenhar

Como eu disse, nosso trabalho é resolver problemas. Escreva a história de cada projeto. Isso vai lhe ajudar a decidir quais detalhes merecem destaque. O formulário de pagamento do seu APP foi feito de uma forma inovadora? Então isso talvez mereça destaque e o texto pode citar porque ele é diferente dos convencionais.

5. Experimente expor fragmentos do processo criativo

Isso pode servir para alimentar plataformas e promover o seu trabalho. Instagram, Facebook, Pinterest, estão aí pra isso. Dê atenção às etapas e na medida do possível, demonstre para o mercado que aquele projeto teve etapas de pesquisa, protótipos, estudos ou outra etapa qualquer. Alguns clientes pensam que tudo vem direto das telas da suíte Adobe.

6. Demonstre seus skills

O que isso quer dizer? Se o projeto foi uma campanha publicitária e você é ilustrador, talvez as métricas dos resultados da campanha não sejam a informação principal para promover o seu trabalho. Comece com uma visão macro do projeto, depois detalhe o que você quer destacar. Inclusive, é possível utilizar isso como mais de um item no portfolio, por exemplo. Um item dedicado à ilustração apenas, com o processo criativo inteiro, e outro item para a campanha como um todo.

7. Mostre a SUA solução

Novamente, o portfolio fala sobre soluções. Sempre tente apresentar a maneira como você chegou àquela solução. A falta disso pode fazer parecer que foi uma solução genérica parecida com a que qualquer outro designer faria sem muito esforço. Tente sempre demonstrar como você chegou a essa solução.

8. Qual plataforma escolher?

Por questões de praticidade, a possibilidade de você compartilhar o seu portfolio através de um link, é de quase 100%. Então vou ignorar a chance de usar um portfolio físico. Dito isso, agora é hora de escolher onde colocar o seu trabalho. Vamos as opções (algumas delas).

Behance
Dribbble
Cargo Collective
Blog / Wordpress
Medium (preciso linkar mesmo?)
Site próprio

Nessa hora, cabe a análise de qual é a melhor para o seu tipo de projeto. O Behance funciona muito bem como imagem e vídeo, e ganha pontos por ser uma rede social, assim como o Medium e o Cargo Collective. Analise qual o melhor formato para apresentar o seu trabalho, e escolha tendo isso em mente. Para ter 100% de controle, talvez ter um site próprio seja a melhor opção.

9. Facilite o caminho

Já que o seu trabalho está online, tente facilitar o caminho para quem vai acessar. Links como www.linkmuitolongo.design.com.br/projetos/2017/seunome talvez não sejam muito práticos, principalmente quando precisar ser dito verbalmente. Quanto mais fácil de pronunciar/lembrar, melhor para você.

10. Quantos projetos mostrar?

Ok. Eu sei que você estava esperando por essa informação. 
O número ideal é aquele necessário para mostrar no que você é bom. 5 é um bom número. Ter 5 projetos com início, meio e fim é o suficiente para demonstrar do que você é capaz.

11. Quais projetos mostrar?

A melhor sequência, envolve começar bem e finalizar bem. Se você não tiver 5 projetos nota 10, tente colocar o melhor em primeiro lugar, o segundo melhor para finalizar e distribua os outros em ordem crescente nos outros espaços. É importante que o avaliador finalize a análise do seu portfolio tento uma boa impressão.

12. Mas e se eu não tiver nenhum projeto?

CRIE. Afinal, você está procurando o seu lugar em um mercado que envolve criatividade e resolução de problemas. Então esse pode ser um bom primeiro problema a ser resolvido. Algumas opções são realizar projetos que envolvem causas sociais que merecem atenção. ONGs podem ser uma boa opção também. Propostas de redesign de algo que já existe e até trabalhos acadêmicos podem entrar nessa lista nesse primeiro momento. (Por isso, lembre-se de tratar os projetos acadêmicos com respeito, eles podem ser úteis.)

13. Tenha versões

Se você ainda não sabe em qual área do design vai focar, pode cair no erro de ter um portfolio genérico demais. Pense na opção de ter versões focadas em áreas específicas, como ilustração, 3D, direção de arte publicitária, projetos digitais, ou o que quer que você queira atingir.

14. Peça feedback aos mais experientes

Caso você se sinta inseguro como o seu portfolio, apresente-o para alguém mais experiente que você e esteja disposto a receber críticas. Submeter portfolios para empresas apenas para receber um feedback, também é algo válido. Pense sempre no seu como se ele estivesse constantemente em uma versão beta.

15. Essa peça é sua mesmo?

Já cometi o erro de contratar pseudo criativos que apresentaram projetos que não haviam sido criados por eles. Esse tipo de atitude costuma dar errado, pois os mercados conversam, e um dia a informação correta chegará nos envolvidos. Se você só fez adaptar as peças que outro designer fez, informe isso. Se você só fez os textos, deixe isso claro. Sua ética e caráter também são analisados nos processos seletivos.

16. Dica bônus

Por último, dedique um tempo extra dedicado a correções ortográficas (peça ajuda de amigos) e cuidado no tamanho dos arquivos. Utilizar imagens como 300dpi que pesam 5mb cada uma em ambiente web, não e algo legal para quem vai ter que acessar. Pense que ele poderá estar fazendo isso no celular com um 3G mais ou menos.

Agora vai lá, faz e mostra pra que tu veio.