Sr. Empresário. Poderia responder a essas 3 perguntas?

Em conversas com alguns empresários, percebi que tenho ouvido com uma certa frequência a seguinte frase:

“Eu tirei meu site do ar. Essa história de ter site é muito antiga. Agora estou só no Facebook, tá todo mundo lá mesmo.”

Não vamos questionar a decisão desses empresários, cada um tem o direito de administrar sua estratégia como achar que deve. Mas gostaria que vocês respondessem a essas 3 perguntas.

1. Você pode ser encontrado?

Se nesse exato momento, alguém estiver com um problema, que sua empresa é a solução, ele vai conseguir encontrá-la? Pense em uma borracharia, um serviço de reboque, uma pizzaria delivey, um restaurante. Serviços que sempre que procurados, envolvem uma certa urgência. (Considero vontade de comer pizza uma urgência).

No caso da borracharia e do reboque, pense no contexto da situação. A pessoa possivelmente estará no meio da rua, com o carro parado, e terá que resolver tudo pelo celular.

2. Sua marca resolve o meu problema?

Ok. Você passou da primeira etapa. Foi encontrado de alguma forma, a pessoa sabe que sua empresa existe, mas talvez isso não seja o suficiente. Você pode resolver o problema?

Dúvidas que pairam no ar nesse momento:
1. Será que esse estabelecimento (essa palavra é sensacional) está aberto agora? 
2. Estou sem dinheiro. Será que eles aceitam cartão?
3. Ninguém está atendendo nesse número que consta aqui. Será que isso realmente existe?
4. Será que eles tem opções de pizza para veganos?

Horário de funcionamento, formas de pagamento, canais de contato, produtos disponíveis, isso é o básico que uma pessoa pensa em encontrar, para a partir disso considerar sua marca uma opção.

3. Por que você e não o concorrente?

Para os que sobreviveram à segunda etapa, vamos aos próximos pensamentos e dúvidas que o seu cliente em potencial está enfrentando agora:

“Ei galera. Aquele restaurante XYZ está aberto agora e aceitam cartão. Mas será que essa lá é legal? Nunca ouvi falar deles, e só tem um cara aqui falando que os pratos costumam demorar bastante.”

E aí. Sua marca tem informações suficientes para que o cliente possa escolher você ao invés de continuar procurando? Avaliações positivas. dúvidas respondidas em tempo, atendimento, preço ou produto diferenciado?

Agora que temos alguns parâmetros, acho que fica mais fácil decidir se ter um site é realmente necessário. Ou estar no Facebook, ou em ambos.

Antes que eu esqueça. Estar no Facebook apenas não significa nada, assim como apenas ter um site online também não. Mas isso é assunto para outro texto.

Agora vamos ser legais com nossos clientes, e deixar esse tapete estendido sempre que ele precisar.

Like what you read? Give Rodrigo Medeiros a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.