''Tem algo aí ?
Dentro de si ? 
Porque dentro de mim
Já não tenho mais
As mesmas certezas'' 
 ― G. Maturano

“An artist is a creature driven by demons. He doesn't know why they choose him and he's usually too busy to wonder why.” 
― William Faulkner

O fogo sempre foi significado de destruição e purificação. Com o rolar dos dados do destino minha mente acende como um culto a Moloch. O que nos faz resistir ? A escrita tem que ser um tapa. Um tapa forte. Um tapa desrespeitoso. Tem que ser aquele impulso de ódio que nos levanta do chão. Eu queria cuspir na cara do mundo, mas não consigo mais escrever daquela forma, rasgando tudo em alucinações insones ou falando sobre os malditos que fogem de si mesmo. Fugir de si é o pior dos erros. É necessário ter consciência do Eu e de sua finitude. Porém, a consciência nos joga contra a parede e tortura com visões do passado e o medo do futuro. Olhe o cotidiano da cidade, o trânsito e o estresse das pessoas que não tem nada a nos acrescentar. Olhe os pedantes nas bibliotecas, bebedores de café e fumantes fotogênicos. Discutindo sobre o Belo sem nunca enfrentar o desespero. Felizes são aqueles que no berço da ignorância tornam-se exemplos da sociedade. Verdadeiros são aqueles que no abismo da existência nunca se entregam. Resistir é manter-se firme nas convicções. Mesmo que nossas certezas mudem. E as noites não acabem. Resistir é seguir como vibrações dissonantes tocadas a esmo no tempo errado, desregulando todo o compasso. Como um fósforo minha mente se apaga ― não com um tapa ou cusparada, mas com uma vibração que chega ao fim.

― C.Sanches