Posso ser feliz com o meu corpo? Obrigado!

Muito tem se falado a respeito do corpo ideal e de empoderamento de corpos. E sim, vim falar desse assunto porque é algo que tem prendido bastante a minha atenção.

Ao conversar com amigos, familiares, namorado e afins eu vejo que a preocupação acaba sendo sempre a mesma. Muita gente incomodada com essa pressão em estar bem, mas sem saber ao certo qual é o parâmetro pra esse “bem”.

Em meio a geração fit, há quem não queira embarcar nessa maré. E nada de mal tem nisso, no entanto entre definir lados da moeda, que tal cada um viver bem consigo mesmo da maneira que bem entender?

É possível ser feliz com o corpo que tem sem cair na pilha da sociedade. Parece a frase mais obvia do mundo mas para algumas pessoas isso não fica tão claro. Pelo contrario, há quem sofra (muita gente) por conta de alguns aspectos físicos.

Comecei a prestar atenção nas conversas e ouvir mais meus amigos a respeito, sempre quando o assunto de empoderamento corporal surgia, alguma reclamação vinha em seguido, até mesmo uma declaração cheia de preconceitos que nem sempre eram notados. Principalmente quando conversava com pessoas gordinhas.

É engraçado quando você, ao ser gordinho, acaba sendo excluido de alguns campos sociais por conta do que as pessoas pensam a respeito. Costumam achar que gordos não transam, que não são capazes/dignos de se estabelecer um relacionamento, não são saudáveis, atléticos entre uma série de outras babaquice que ninguém faz questão de averiguar ou mudar o pensamento a respeito.

E gente, os quilos a menos não te tornam incapaz, não tiram seu sex appeal, muito menos fazem de você uma ameba que não mereça todas as coisas que uma vida normal proporciona.

A real é que nenhum corpo vai ser parecido com o outro (até mesmo quando se tratam de gêmeos, rola uma micro diferença) e que dependendo do seu biotipo, não adianta levar uma vida de loucuras para se enquadrar dentro de um padrão.

A sociedade vive modificando os padrões e de uns tempos pra cá, o magro/fitness acabou sendo aceito uma das únicas vertentes possíveis. 3 a cada 5 blogs comentam de cantoras que engordam, 10 a cada 9 sites mostram aquele ator sem camisa taxando ele de homem ideal, e assim um pensamento é difundido.

Talvez você nem tenha percebido mas acaba sendo a massa de manobra pra esse pensamento pequeno que é empurrado. Quantas revistas de dieta você ja viu na vida? Pessoas que fazem dietas loucas, você conhece? Provavelmente o sua resposta foi “muitas”e “sim”. Isso mostra o quanto a indústria é extremamente neurótica do corpo, o quanto nós crescemos com essa premissa de que é necessário ter o corpo perfeito. Diversos filmes mostram o efeito que eu chamo de “baba baby” (peço licença pra Kelly) onde a pessoa emagrece e subitamente a vida muda, tudo anda, ela é feliz, maravilhosa, como se fosse quase um comercial de absorvente ou de banco… Então, a vida não é assim!

Todo mundo é perfeitamente capaz de garantir um bom futuro, ser feliz, arranjar amor e fazer uma baralhada de coisas sem ter que se preocupar com o corpo, até porque ele não te impede de chegar a lugar nenhum, a menos que você não se movimente para atingir aquilo que gostaria

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.