GEMADA

2 gemas

Pitada de canela

1 colher de mel (ou açúcar)

1 xicara de leite.

Numa caneca bata as gemas com o mel (ou o açúcar) e a canela (se gostar). Ferva o leite. Despeje o leite aos poucos mexendo a gema, para não ferver as gemas. Está feita sua gemada. Beba quente.

Essa receita é a receita de gemada que minha mãe sempre fez para mim. Sempre fez exatamente nesses meses de abril/maio/junho, quando eu geralmente fico doente por causa do frio, do tempo seco e da poluição.

Foram várias gemadas em muitas noites que eu só conseguir parar de tossir depois que ela levantou, preparou e me fez tomar. Eu sempre gostei da gemada. Sempre gostei que minha mãe fizesse para mim. Era cuidado em forma de bebida. Cuidado da minha mãe no ponto de beber. Ainda fico na dúvida se o que me colocava para dormir era o calor do leite com gemas, ou se era o calor do cuidado de minha mãe. Eram os dois. Com certeza o segundo.

Semana passada tive que fazer minha própria gemada, na fria São Paulo. Chega um ponto, em algum momento, que é você mesmo que vai ter que se pôr para dormir. Mas ela continua cuidando de mim, preocupando-se, perdendo noites de sono.

Minha mãe, como a maioria das do nosso país, sempre trabalhou “fora-de-casa”. E sempre cuidou de mim e de minha irmã. Ela não era obrigada a se preocupar tanto, a se dedicar tanto. O estatuto da criança e do adolescente não exige tanto. Mas ela escolheu. E muitas escolhem, mesmo não tendo escolha.

Hoje eu posso cuidar um pouco dela, de vez em quando. Mas nunca chegarei perto do quanto ela abdicou, abriu mão, desistiu, superou, ignorou, chorou, sofreu, por mim e minha irmã. Ela não precisava escolher nos amar tanto, mas escolheu. Serei eternamente grato.

Hoje eu fiz um chá para ela. Espero que nesse dia frio ela durma bem, com o calor do chá e com o calor do meu amor por ela. Eu dormirei, porque ela continua se preocupando com meu sono. Graças a Deus.

(A música lá de cima é a que ela cantava pra gente dormir, mesmo que ela chegasse do trabalho e já estivéssemos dormindo)

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.