Elogio distorcido.

A minha vida inteira eu via por parte das outras mulheres, uma glorificação doentia a minha magreza.

“Magrinha pode comer de tudo.”

“Magrinha pode usar qualquer roupa né?”

“Ai se eu tivesse esse corpo eu ia ganhar tanto dinheiro…” oi?

“Magra de ruim” – 😒

E isso tudo desde criança. E não importava quem fosse. Não tinha essa de ter intimidade pra falar do meu corpo na frente de outras pessoas. Afinal, era um elogio, né? Tinha mais é que ser falado mesmo. Mas eu não entendia nada. Sei lá, pra mim era só um corpo. Eu não entendia a obsessão e a inveja pela magreza de alguém.

Passei a adolescência e boa parte da vida adulta ainda sendo a magrinha. Hoje, aos 30 anos ainda sou magra. Não mais aquela tão esquelética que as pessoas cobiçam e ficam espantadas, apenas magra.

Esses dias ouvi um novo no combo dos elogios distorcidos. Foi s vez do “bonita de corpo.” Sério. E vc miga? É burra de qual parte específica do cérebro?

A single golf clap? Or a long standing ovation?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.