Caminho Nenhum

Eu, sem rumo, perdida, desgarrada

Em um prece chorosa, pedi cansada

À Deus, aos céus e a Ogum

Que me tirasse de todo caminho

Que não levasse a lugar nenhum

Sem conseguir enxergar, sequer

Onde achar solução

Quase perdi a fé

Por sentir que pedia em vão

Só depois, com o tempo

Pude perceber

Às vezes, sentir-se perdida é crer

No movimento necessário que faz andar

Em direção a plenitude de se encontrar.