A modernidade me estragou

Meu cérebro é totalmente desregulado pra vida moderna. Eu vejo, literalmente, infinitas fotos de lindas mulheres no Instagram e minha cabeça pensa “É, tenho que transar com todas elas”.

Não tem nenhuma moderação, sabe? Por 95% da história de nossa espécie, vivíamos em grupos de coletores e caçadores compostos por no máximo 100 pessoas. Dessa centena, havia apenas umas 10 mulheres altamente qualificadas para reprodução em qualquer dado momento. Faz total sentido reprodutivo o homem possuir a ganância de conquistar todas as fêmeas ao seu alcance.

Mas agora a gente tem um banco de dados infinitos de mulheres férteis, a internet. E meu cérebro ainda pensa “Eu PRECISO reproduzir com essas 5 milhões de gostosas”.

Burro pra caralho.

Outra coisa que acontece e me sinto totalmente desregulado pela modernidade. Existem pessoas no seu Facebook que você nem deveria lembrar mais de sua existência. Quando seu amigo te perguntasse:

“Lembra do Ricardo, aquele baixinho que estudava inglês com a gente?”

Você deveria dizer: “Não, não me lembro”. É saudável esquecer das pessoas. Ao invés disso, o Facebook, além de não te deixar esquecer ninguém, ele te faz odiar pessoas que você não vê há 12 anos.

“Ah, o Ricardo? Não vejo ele desde 2006. É um reaça do caralho. Espero não ver nunca mais!”

O Facebook te da a oportunidade de odiar pessoas que não fazem parte da sua vida.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.