O sonho que eu não deveria contar pra ninguém

Você já teve um sonho tão bizarro que te fez ter dúvidas sobre sua própria identidade? Algo vergonhoso que você prometeu para si mesmo que nunca contaria pra ninguém?

Pois é, eu tive um sonho absurdo e jurei que ninguém mais ficaria sabendo, nem mesmo meu psiquiatra, mas quando resolvi fazer stand-up pensei “Foda-se! Vou contar para vários estranhos em cima de um palco com um microfone”. Aqui vai.

Antes de qualquer coisa, você tem que saber que sou hétero, sempre fui. E não daqueles héteros liberais que de vez em quando chupam uma rola porque gostam do sabor ou porque são de esquerda. Não, sempre fui daqueles héteros que tentam desesperadamente a toda hora provar que gostam de mulheres, preocupadíssimos em não deixar qualquer sombra de dúvida à ninguém.

Então aqui estava eu, no meu sonho, em uma sala estranha, parecia o escritório na casa de alguém. Algumas pessoas me mostravam um laptop, e nele um vídeo do Youtube que eu deveria assistir.

Quando consegui focar na tela, percebi que era um pornô, daqueles em que a câmera parece estar sob ponto de vista do ator (famoso P.O.V.), bem na cena do boquete. E o que de mais terrível poderia acontecer, aconteceu. Eu estrelava o vídeo, não no lugar do dono do pinto sendo chupado, mas sim da estrela do vídeo, a pessoa que levava o pênis alheio à boca.

Sim, foi doloroso meu amigo hétero. Esse é um pesadelo que apenas você, que batalha diariamente para afirmar e reafirmar sua heterossexualidade, pode vislumbrar o pavor sentido por mim naquele momento. O pior é que não era nem uma chupada hétera, desconfortável, sem tesão, triste, como se tivesse perdido uma aposta horrível. Era uma chupeta de atriz pornô experiente, daquelas com olho no olho, engasgada, tapa de piroca na cara…

Eu fiz o que qualquer macho faria, comecei a chorar. Caí em prantos no sonho, sem nem conseguir lembrar quando eu tinha feito aquilo para terem filmado, como a vida poderia ser tão cruel? Por que Deus, por que?

Quando acordei, foi de longe a maior sensação de alívio que eu já senti na vida. Lembrei de uma vez, quando tinha uns 12 anos, sonhei que meu pai tinha morrido, ao acordar comecei a chorar desesperadamente por uns 15 minutos, tremendo, sem conseguir me controlar. Mas descobrir que eu não tinha chupado o pau de ninguém foi um milhão de vezes melhor que isso.

Ao menos uma coisa boa eu realizei dessa experiência toda. Acordar de um pesadelo e poder se sentir aliviado é um puta de um privilégio, se você acorda de um sonho ruim e tem uma profunda sensação de alívio, aproveite, sua vida é boa. Algumas pessoas acordam de sonhos ruins e estão no meio da guerra ou pior, casadas!

Não quero que isso soe errado, mas toda vez que eu imagino que em algum lugar do mundo, uma pessoa teve um pesadelo terrível e ao acordar, prestes a se sentir muito bem, lembrou que foi sequestrado pelo pedófilo do bairro e é mantido em cativeiro há 12 anos em seu porão, sinto um relaxamento profundo e solto algumas risadinhas.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.