turvo-espelho

no que bagunça o corroído desalubre
do desatinado nada
antes do tiquetaquear prostrado,
fora do que talvez me permearia manso
não fosse tu tão sujo,
desabrigaria sorrateiramente
as nuvens do abstrato teu.

insalubre nó
desatino,
desabafo calado,
te vi destilado,
deste lado,
e fui seco abrigo
num grito contido,
alquebrado em fagulhos,

te transmutei
ao meu alado lado.

Like what you read? Give Luzo Cairo a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.