Tradução: Blues Fúnebres, de W. H. Auden

Parem os relógios, desliguem o telefone,

Deem ao cão um osso que os seus ladros solucione,

Calem o piano e entre tambores abafados

Venham o ataúde e os conhecidos do finado.

Chorem circulando os aviões e, lá no céu,

Tracem a mensagem anunciando Ele Morreu,

Ponham laços nessas pombas públicas que vão,

Usem os polícias negras luvas de algodão.

Ele foi meu norte e sul, leste e oeste a um só tempo,

Meus dias de trabalho e meu domingo de relento,

Minha noite e dia, o meu falar, minha canção,

Pensava que este amor ia durar: não ia, não.

Apaguem os astros, que uso neles não se acha,

Desmontem o sol, metam a lua em uma caixa ,

Drenem o oceano e varram todas as florestas -

Bem nenhum virá de circunstâncias como estas.