A ficha caiu e eu me arrebentei todo

Não é de hoje que brinco com essa coisa de “ai sou trouxa”, ‘nobody loves me”. etc e tal. Poderia ser apenas um exagero, zuêra ou a memetização da minha vida. Mas o triste é que não é. Eu sou trouxa e tudo mais, e a culpa é de minhas atitudes. Seria delicioso dizer que as pessoas com quem me relaciono são duras, blasé ou incompreensivas, porém não é bem assim. Os outros tem seu defeitos, mas são os minhas falhas que me afastam deles.

O que eu quero é confuso e confusão.

Como eu posso querer atenção se eu sou um esquisitão tímido que tremo só de dar um oi mais acalorado na rua ?

Como eu posso declarar amor a solidão se eu fico puto da vida quando meus amigos demoram a me responder nas redes sociais ?

Eu sou invasivo, repetitivo, egoísta, dramático, birrento, vulgar, tarado, incoerente, inconvenientNOSSA EU SOU UM MONSTRO? Sim eu sou. Assim como todos os outros habitantes deste planeta. Tá todo mundo com uma espécie de mr. Hyde dentro de sí. Claro que em muitas pessoas, felizmente, o monstro vai ficar incubado sem se manifestar jamais . Em alguns, porém, ele vai aparecer cedo ou tarde, porém os anticorpos que são nossos valores e formação de caráter vão dar um jeito no bicho. E eis o meu problema, eu me encontro com uma grave deficiência de anticorpos pra combater o Hyde que tenta se sobrepor ao dr. Henry Jekyll.

O moço aqui tá dando bola fora atrás de bola fora. E ele tem consciência disso, mas não sabe/consegue parar. Ele não perde uma oportunidade de ser bobalhão e sem noção… daí ele se tocou e foi “PUTZ tô na beira do precipício”; daí deram o toque a ele e foi CATAPLOFT.

Tô no chão todo relado, contundido, sangrando e sem merthiolate nem gelol pra aliviar as dores do tombo e tentando traduzir em palavras essa avalanche de sensações ruins que tomam conta de mim.