Namorar é uma merda

Calma, não é bem assim miga. Namorar é aquele dilema da vida. O que deixa ela emocionante e ao mesmo tempo triste, ou por rejeição do outro ou por sua mesmo.
Cheguei a essa conclusão do título porque em breve completo mais um ano de namoro. Não são 10 anos, mas são o suficiente para saber que não está bom.

Acho que vamos jantar em algum lugar que já fomos umas mil vezes ou talvez ir no cinema ver um filme qualquer. Na verdade, estou esperando uma surpresa (embora saiba que ela não virá).
Eu sempre espero mais e me pergunto porque EU não posso ser o “mais”.
Acho engraçado que quando estamos solteiras, queremos namorar e quando estamos namorando, nos cansamos do boy e queremos estar solteira.
Hoje incrivelmente não quero estar solteira, mesmo com o namoro desgastado.
Eu gosto dele.
“A gente vive junto, a gente se da bem” E COMO!
Quem nos vê pensa que a vida é linda, maravilhosa e que somos perfeitos um para o outro. E SOMOS!
O que ta pegando aqui miga, é que esse é justamente o problema.

É que assim, acho que chega um ponto em que relacionamentos tornam-se amizades. Hoje me considero melhor amiga do meu namorado e não sua namorada. Entendeu?
E o pior (ou melhor) é que acho que ele está na mesma situação que eu.
Já pensei na maldita rotina, monotonia, comodismo e demais derivados desse mal da geração y.

Mas não miga, não é. É meu carma mesmo. Devo ser muito legal a ponto de sempre transformar meus relacionamentos sérios em amizades engraçadas e deliciosas.

Somos tudo de bom juntos, somos tudo, menos namorados. Acabou o “tesão” e não me refiro a só sexo (também), mas o mínimo que um namoro normal deve ter. Um beijo, uma língua, um cheiro, um frio na barriga, uma ansiedade e uma atração. Não tenho mais isso. Ele não tem mais isso. Não vamos ter mais isso.
Mas a culpa não é minha e nem dele. A culpa é da vida.

Eu não quero terminar. Já disse que gosto das brincadeiras, das risadas e até das baladas. E vou confessar que não sinto muita falta do sexo e do beijo. É ai que mora o perigo.

Estou “melhor amigando” meu namorado. As coisas se confundiram miga.

Eu não quero ir pra balada sair pegando geral e viver a vida loucamente. Gosto como está, mas não está “certo”. E não me venha com o papo moralista de que o certo é eu me sentir bem, porque é justamente o que estou tentando explicar. EU NÃO ME SINTO BEM COM ESTAR ME SENTINDO BEM.

A gente é feliz, não briga, não reclama, ri de tudo e todos, gosta das mesmas coisas, entende a mesma língua… mas não está rolando.

O foda é que dificilmente vai dar pra manter uma coisa sem a outra.

Essa é a merda, por mim ele podia viver aqui, continuar chamando minha mãe de sogra, sair comigo, me levar pra comer um hot dog e até dormir junto. Porém, sei que isso vai acabar quando “acabar” de vez.

Nunca mais vai dar, nunca mais.

A partir do momento que eu ver ele com outra, ou que aquele amigo “nosso” ver eu em uma festa bebendo com as amigas, vai quebrar um pedaço e assim vai indo, pouco a pouco o que resta da tentativa de manter uma amizade feliz.

Essa é a merda de namorar, ou tu namora e arrisca tudo pra perder tudo no futuro ou não namora e consequentemente não vive.

É tudo ou nada miga. Oito ou oitenta, sem meios termos.

Mas não tem como não namorar. Quando tu conhece aquela pessoa o que mais tu quer na vida é namorar, casar, ter três filhos e um cachorro. Tu só quer isso, só pensa nisso.

Digamos que eu termine e vire amiga dele. OK. Vou conversar algo do tipo…

E aí, tudo bem? Novidades?…

Vai chegar um ponto que o assunto vai ser “se lembra quando a gente, chegou um dia a acreditar” ♫♪♫

E o climão reinará.

Cada um terá a sua vida, com outras pessoas, outras coisas e não vai ser legal tu falar que foi pra balada e pegou fulano e nem ouvir dele que ciclana é gostosa mesmo que façam SÉCULOS que vocês terminaram.

Namorar é uma merda e terminar é hipocrisia.

Tu termina, mas não quer que aquela pessoa seja livre. Tu pode ser, tu deve ser, mas ele não, ele será sempre teu. Mesmo que tu esteja completamente feliz e realizada, nunca irá admitir que outra pessoa possa ser igual ou muito melhor do que tu foi.

E enquanto isso, vamos empurrando com a barriga uma relação condenada pela amizade.

É a lei da vida. O pra sempre, sempre acaba.

Like what you read? Give Conselhos de Miga a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.