Lara Capitulo 7

Quebra-cabeça

Arrumar as malas foi o mais complicado e pesado de tudo que Lara estava para fazer, colocou a mala em cima da cama, e separou roupas aleatórias sem ter a mínima ideia do que estava indo fazer naquele país. Não sabia lugares que iria passar ou como estava o clima da Itália, se sairia, se ficaria no hospital com a mãe de Sam, de nada sabia, aliás só sabia de uma coisa, Sam estava precisando dela e isso ela não podia nem pensar em negar ajuda. No momento tudo a sua volta era um turbilhão de dúvidas, mais intenso que o comum, Lara sentia se fraca por ter que tomar tantas decisões, achara que aquele seria seu ano de concretização mas estava sendo apenas o de maior desgaste emocional. Sua cabeça começou a doer lentamente como pequenas pancadas no cérebro e ela começou a sentir as coisas perderem o lugar, seu coração acelerava e era como se estivesse em sua garganta, decidiu sentar e lembrou de ficar de cabeça erguida para manter o equilíbrio. Respirou por uns 5 minutos e ficou fixa em ponto tentando não pensar na viagem, não pensar em Jhon, nem muito menos em Sam, mesmo que ele fosse o motivo para ida até Itália, alias , ir para Itália dizia mais sobre ajudar Sam do que por Sam. Suspirou outra vez, e pensou “isso não faz o menor sentido” é obvio que é por causa de Sam que a viagem ia acontecer. Pegou o celular e não havia nenhuma chamada de Jhon, foi até a lista telefônica e ligou para a pessoa mais fácil, que obviamente era Estefane.

— Alô Estefane preciso de você.

— São 2 horas da manhã, jura que não pode ficar pra amanhã? Respondeu Estefane com voz de sono.

— Juro! Jhon foi embora e não sei se voltará, e estou indo pra Itália. Foi o melhor resumo da noite passada.

— Já estou pegando meu casaco. Respondeu Estef.

Lara ainda sentia sua cabeça doer, decidiu que não iria levantar, ficaria ali até Estefane chegar, começou a olhar pontos distintos do quarto, olhou detalhes do quarto que diziam muito sobre ela, lembrou que havia lido em algum lugar que o ambiente em que vivemos diz muito sobre quem somos. Havia detalhes naquele quarto que ela prometia consertar a muito tempo e que assim como os problemas e decisões de sua vida, ela só estava evitando e deixando de lado. Olhou a perna de sua penteadeira que estava descascada, Sam lhe convidara para consertar diversas vezes mas ela dizia consertar em outra horas, hoje ela simplesmente ignorava como se não visse, viu uma par de calçados que estava pelo menos há um mês debaixo da cama desaparecido, junto com o brinco que ela já havia revirado a casa á procura, tinha marcas de rímel na parede, e aquela tinta?! Estava horrível! Uma cor desbotada e sem vida. Parou o olhar no espelho e congelou os pensamentos, foram anos e anos lutando pra tentar ser alguém e olhe só em quem se tornou, alguém sentado no chão do quarto com amores divididos, queda da auto-estima, confiança estraçalhada e não conseguia nem se levantar pra tentar contornar a história, sentia como se não fosse nunca se encaixar nesse universo, hora pensava fazer parte, hora sentia que até respirar fazia errado.

— Mas que droga! Disse Lara pensando que ela não tinha sequer quem culpar.

Sua criação tivera sido impecável, seu pai lhe amou da forma mais intensa possível, ele lhe representou além de um pai, mas uma mãe. Ele sempre lhe deu de presente palavras de conquista e de representatividade, dentre as quais alimentou parte por parte de Lara, lhe ensinou que além de tudo ela era alguém, e esse alguém precisava ser amado, além do que pelo outro, precisava ser amado por si mesma.

Tinha alguns meses que Sam havia ido e ela já estava retrocedendo milhas, seu cabelo já estava mais castanho do que rosa, sua auto estima estava no chão, seu relacionamento provavelmente já era, uma de suas amigas se fora e ela sentia que ela de fato devia ir, olhou pra uma foto em cima da escrivaninha, e pensou que de quem ela realmente precisava era de Sam, ela sabia que se cancelasse o voo Sam se viraria sozinho, porque ele era forte e altruísta e que sabia como se erguer sozinho, mas ela não, estava desmoronando aos poucos e Sam tinha o dom de ergue-la em apenas uma tarde. A foto era de um dia em que se fingiram ser ricos para entrarem em um restaurante fino, Sam estava tentando reserva tinha semanas, estavam no ultimo ano da faculdade e ele insistia em dizer que o restaurante tinha a melhor sobremesa do país, Lara já tinha avisado que provavelmente passariam anos pagando pela reserva mas mesmo assim ele não desistiu. Todas as tentativas de reservas foram negados, e no dia Sam decidiu mentir para Lara e falou para ela que havia conseguido as reservas, Lara vestiu o melhor vestido estava super feliz em comemorar o aniversario com o amigo e triste em ter que gastar possivelmente todo o salário.

Quando chegaram na porta do restaurante Samuel disse:

— Srta Ferraz, mantenha a classe.

Lara já sacou que tinha coisa errada, colocou a mão no rosto, sorriu e disse:

— Qual é a da vez Sr. Ferraz?

— Eu sabia que estavam me negando reservas por não sermos ricos, então fiz reservas em nome do meu chefe e sua esposa.

— Você não vale nada Sam. Disse Lara sorrindo e tentando manter a classe.

Deram as mãos e seguiram a noite, pra azar de Sam a comida era horrível e sem graça, Lara comentou a noite toda que preferia o cachorro quente e os burritos da venda na esquina de onde morava, mas a sobremesa era realmente incrível e talvez a melhor que já havia comido.

Lara sentiu-se melhor apenas em pensar e relembrar essa historia com Sam, imagina se fosse passar mais dias, sabia que ficaria bem.

— O que você esta fazendo sentada no chão? Perguntou Estefane na porta do quarto.

— Eu fiquei tonta e ai preferi me sentar e aguardar você chegar, dai acabei pensando…

— Ihhh a noite vai ser longa, vou buscar o sorvete não levanta, vamos conversar ai sentadas mesmo! Respondeu Estef indo em direção á cozinha.

Lara sorriu e agradeceu por ter alguém como Estefane. Estefane voltou sentou ao lado de Lara lhe entregou uma colher, abriu um pote de sorvete e o colocou entre as duas.

— E então você vai pra Itália? Perguntou Estefane.

— Sam me ligou mais cedo, nunca o vi tão triste, disse que precisava de mim, não soube nem o que lhe dizer na hora, sabia que precisava ir e estar com ele, talvez sem dizer nada ou fazer nada, eu precisava apenas estar.

— Eu você já comprou as passagens? Perguntou Estef.

— Sim. Estava arrumando as malas quando fiquei tonta.

— Recebi a notificação no meu celular, e estou surpresa em você tomar uma decisão tão rápido assim, bom ver que Sam ainda é muito importante pra você.

— Sam nunca deixará de ser importante pra mim, me chateia um pouco mas parte daquele guri esta em mim, e parte de mim esta nele, porque tudo que vejo me leva até ele. Mas… como assim notificou em seu celular Estefane?

Estefane sorriu e respondeu:

— Mudei seu contato de confirmação de compra no cartão de crédito para o meu celular, para que quando eu o usasse você não soubesse… Mas quando chegou a mensagem eu esperei você me ligar.

— Você não tem jeito em… Disse Lara

— Mas e o Jhon… o que houve? Perguntou Estefane.

— Nós brigamos, e ele se foi… Eu não sei sabe, as vezes me sinto cheia com Jhon, as vezes sinto que ele é demais, as vezes ele parece surreal, muito perfeito e eu não sei se estou preparada pra essa perfeição toda…

— Eu gostei muito de Jhon, sinto que ele te fará bem e que se encaixarão, mas já vi que Sam lhe faz mais que bem, Sam lhe faz feliz, já vi que sua peça de quebra cabeça é Sam, você quando esta com ele esta encaixada. Disse Estefane.

Lara queria que Estefane se calasse e deixasse ela processar aquelas palavras, que não eram fáceis e que lhe doíam, pensou em não responder, ou dizer que Estefane estava doida.

— A verdade é arma que arranca a voz Estef.

— Lara eu te amo, sempre estive com você em tudo, sempre guardei seus segredos e tive liberdade pra te contar até o que nem eu queria me contar, mas não posso deixar você quem sabe jogar sua felicidade no lixo, preciso que neste exato momento você reflita em quem e o que tem te feito feliz, quero que você não pense em mais nada, mas em você e em sua felicidade, e a partir dai você poderá escolher o que quer.

“Quero o Samuel” era o que Lara queria gritar, mas tinha medo.

— E a Runway? Já decidiu o que vai fazer?

— Não queria pensar na Runway. Desde quando eu almejo isso?

— Desde sempre Lara, respondeu Estefane.

— Vai dar tudo certo Lara, outras oportunidades virão, mas pessoas não, depois que se forem jamais voltarão.

Estefane tinha razão e Lara sabia o que deveria fazer, primeiro terminar as malas, tomar um bom banho e acordar pro voo.

— Preciso levantar amiga! Vou terminar de arrumar a mala… pega um copo de água pra mim? Disse Lara tentando levantar

— Ok, vou te ajudar e durmo aqui com você. Respondeu Estefane

Lara levantou com a ajuda da amiga, se virou pra terminar com as roupas determinada em o que iria usar, e outra vez sentiu a cabeça doer, agora mais forte e irradiava de sua cabeça até suas pernas, o que se tornavam mais fracas e aos poucos Lara sentia que iam falhar, em questão de segundos sentiu as pernas falharem por completo e Lara foi ao chão, Estefane correu e gritava a amiga, que agora aos poucos fechava os olhos sentia indo para longe, bem como a voz de Estefane que se tornava distante a medida que desmaiava.

Estefane gritava tentando acordar Lara, e estava trêmula tentando ligar para a emergência.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.