Ano novo, roupa antiga

Virada de ano começam as resoluções de ano novo; começar a malhar, acordar mais cedo, controlar melhor os gastos e, porque não, arrumar o guarda-roupas. Porém, arrumá-lo não é uma tarefa fácil, até por isso que postergamos a organização.

Quem ama moda adora ficar acompanhando tendências, seguir influenciadores e, claro, comprar roupas novas. Porém, o gostoso da compra não é gastar, mas sim todo o processo. Ir à uma loja e achar algo incrível em uma arara, experimentar e se achar linda e, saber que ainda tem como pagá-la, mesmo que seja em um monte de parcelas que você perde de vista, é uma sensação muito gostosa. Mas temos que confessar, as vezes perdemos o controle e compramos em excesso, gastando mais do que o possível e acumulamos peças e mais peças em nossos armários que nunca mais vão ser usadas.

O primeiro passo é ter coragem. Sim, além de trabalhoso, temos um apego enorme com algumas peças e nos livrar dela é como perder um membro do nosso corpo. Muitas vezes nem usamos mais a peça, mas só de olhar pra ela dobradinha no guarda-roupa já ficamos mais tranquilas.

É importante, também, praticar o desapego, crie uma regrinha de, por exemplo, peça não usada há mais de dois anos vai pra doação.

Mas nem sempre é preciso eliminar tudo pra começar do “zero”, você pode manter algumas peças básicas chaves, pois com elas é possível montar várias combinações sem repetir o look.

Agora, se você está precisando dar uma renovada no guarda-roupa, uma dica super legal é fazer as compras em brechós, que cada vez mais é tendência. Um detalhe que mostra a força deles é que em tempos de crise que afetou diversas redes de moda, eles cresceram mais de 20% segundo o Sebrae.

Mas não é só devido a crise que eles estão crescendo, de uns anos pra cá ele ganharam uma aura descolada e, também, de politicamente correta. Uma consequência disso é que já encontramos diversos brechós pela cidade e também na internet. Claro que as lojas físicas proporcionam uma sensação sensorial muito gostosa, mas o online nos traz praticidade de visitarmos diversas lojas e conferir um portfólio mais extenso de produtos.

Você ainda não fez nenhuma compra em brechó? Aqui vai alguns motivos do porquê você deveria começar a comprar neles:

Economize dinheiro

Só por esse ponto já é um grande incentivo para começar a cogitar comprar neles. Em média, as peças nos brechós custam 80% a menos do que as em lojas.

Peças únicas

Quem gosta de ir à uma festa e ver uma pessoa com a mesma roupa do que a sua? Ninguém, né?

Pois então, os brechós tem essa característica de singularidade, a chance de alguém ter a mesma peça que você são muito pequenas, passa até a sensação de que elas foram customizadas para você. Outro detalhe é que pode encontra algumas peças raras, seja pelo tecido ou corte.

Consumo mais responsável

O mundo capitalista que vivemos criou um sistema de exploração muito ferrenho, muitas marcas já foram denunciadas por colocar os seus funcionários em situações de escravidão, por isso, a cada roupa usada comprada, é uma a menos sendo fabricada.

Qualidade e estilo

Quem aqui não tem aquele casaquinho que era da sua avó ou aquela saia da sua mãe que não pode faltar? Pois é, as peças dos brechós possuem, em sua grande maioria, uma qualidade superior as produzidas atualmente. Muitos tecidos que eram usados nas roupas antigamente possuem uma qualidade muito boa e, se já durou 40 anos uma peça, tenha certeza que ele vai durar mais ainda.

E tem mais, aquela peça vintage ou de uma coleção antiga que você amava e que achava que nunca mais encontraria, pode estar em alguma arara por aí.

Então o que você está esperando? Comece a frequentar brechós e pode ter certeza de que vai encontrar roupas que você sempre sonhou, mas nunca imaginou encontrar. Ah, e não esquece, use sempre o seu cartão Controly, afinal, ninguém merece começar o ano acumulando um monte de dívidas.


Gostou desse texto? Deixe um comentário ou nota para sabermos sua opinião. Agora, se gostou, não esquece de apertar no ❤ para fazer com que este texto alcance mais pessoas.


One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.