Emocionado, Luizão relembra trajetória do Mundial de 2000: “Foi uma das maiores emoções da minha carreira”

O dia 5 de janeiro de 2000 ficou marcado para a história do Corinthians como a estreia da equipe no Mundial de Clubes FIFA. Contra o Raja Casablanca, o Timão venceu por 2 a 0 no Morumbi. Autor do gol inaugural do Alvinegro no torneio, Luizão relembrou os momentos vividos durante a trajetória vitoriosa do Coringão no campeonato.

“Pra mim foi o máximo. O Corinthians nunca tinha disputado um campeonato como esse e eu ser o primeiro jogador que marcou um gol nessa história é lindo. Nunca ninguém vai esquecer, né?”, disse Luizão.

© Alexandre Battibugli/Placar

O goleador também relembrou como foi a hora do gol, após cruzamento preciso de Marcelinho Carioca, e a conversa dentro de campo com o camisa 7 para avisá-lo que os zagueiros faziam uma marcação diferente nele por não o conhecer.

“O que eu falava para o Marcelo: ‘Marcelo, a hora que você for no fundo, olha pra mim, que os zagueiros deles não me conhecem ainda e não estão me marcando. Estão marcando a bola’. Então eu faço o movimento e vou para o segundo pau… Aí a bola tá passando de mim e dou aquele carrinho né. Pra mim, assim, foi um momento único”, comentou.

© Alexandre Battibugli/Placar

Sobre a final, Luizão não conteve a emoção ao relembrar os momentos que antecederam a glória da conquista de um título mundial. “Eu ganhei muitos títulos pelo Corinthians, ganhei outros títulos, mas eu nunca vi um grupo se entregar tanto. Tinha gente que estava morto de cansaço, Maracanã, janeiro, aquele calor do caramba. A gente tinha acabado de jogar a final do Brasileirão. Tivemos uma semana de férias. A gente tava totalmente exausto. Mas mesmo assim, com a nossa torcida, 10 mil corinthianos calando 90 mil vascaínos”, disse o ex-atacante do Timão, que emocionado desabou relembrando a conquista no Maracanã.

“Eu tinha saído do Vasco. 10 meses sem receber. Me chamavam de bêbado, me chamavam de coisa que eu não sou e eu só lembro de eu chorando, como estou nesse momento. Foi uma das maiores emoções da minha carreira”, relembrou.