Por: Daniel Lopes

O abuso vem da noite, que escurece o corpo com o preto, cobrindo braços, pernas, cabeça de objetos distorcidos com o efeito da luz. A sombra.

O abuso virá do homem, que passando por essas ruas procura objetos para se divertir. «Amo muito tudo isso», dizia a placa.

O abuso veio da mulher. Entrando na lanchonete, ela ignora tudo e todos.

O atendente triste, solitário, maniaco não gosta de estar aqui nem ali, somente de estar perfeito.

A porta abre. O homem se aproxima da mesa onde o estupro é evidente. Olhando em direção a mulher, ele não ama.

Ela ama.

Chegando no apartamento. Ela, transa com ele. Ele, estupra consigo.