Diga-me um ponto forte seu…

Hoje tem a entrega e apresentação de um trabalho bem grande, que por sinal eu fiz sozinho com um amigo e a ajuda de outro.

Sabe aquele cara? É aquele cara la, o aborto humano? Sim ele não fez nada!

NADA!

A boa noticia é: meu amigo que ficava dando trela para ele percebeu o ser humano de merda que esse cara é.

A HUMANIDADE AINDA TEM SALVAÇÃO!

Depois desse trabalho eu espero nunca mais ter que fazer nada com esse cara.

De qualquer forma estou em vários dilemas.

Eu não tenho meios de imprimir esse trabalho no momento.

E acabaram de me ligar marcando uma entrevista sexta.

Entrevistas! nãaaaaaaao!

Eu não serei hipócrita, eu AMO ser vagabundo.

Embora isso cause a maioria dos meus problemas.

O problema dos trabalhos são as pessoas.

Eu trabalhava em escritórios e sei o quanto que é ridículo.

Tinha um arrombado la que eu dava bom dia pro cara e ele nem olhava pra minha cara.

Nem piscava!

Todo santo dia!

Tem o Pessoal do RH que se acha melhor que todo mundo e fala mal de todo mundo.

e manda embora tudo mundo.

Escritórios são chatos, minha nossa como são! Porque neles trabalham as pessoas normais que eram populares na escola, as pessoas que escutam um funk e um sertanejo e que sabem dançar e os caraio. E quando você ja é um adulto e gosta de quadrinhos e pokemons você não se encaixa muito bem.

Claro que não é assim em todas as empresas, deve ter uma que é legal.

De qualquer forma meu contrato de vagabundo já venceu faz tempo e eu tenho que começar a andar com meus próprios pés. E por mais que me doa tentar voltar para um escritório onde tudo mundo se acha melhor que você, é o que infelizmente tem para a janta.

Eu tenho que pagar muitos lanches para os meus amigos, nossa senhora.

O Crítico.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Tá de Brincadeira?’s story.